Bolsonaristas espancam mulher que pedia 'Ele Não'

Casos de violência extrema de apoiadores do candidato da extrema-direita a presidente, Jair Bolsonaro (PSL), se espalham em todas as regiões do País; no Recife, uma mulher de 37 anos foi violentamente agredida no domingo, 7, ao sair para votar com bottons do candidato Ciro Gomes (PDT) e adesivos da campanha "Ele Não"; "Eles começaram a mostrar que estavam armados e ela decidiu filmar, mas foi atacada covardemente logo em seguida. Arrancaram a blusa com os adesivos e espancaram até onde puderam. Eles só pararam porque foi socorrida pelos garçons que a trancaram na cozinha", relata uma amiga da vítima

Bolsonaristas espancam mulher que pedia 'Ele Não'
Bolsonaristas espancam mulher que pedia 'Ele Não'
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

William De Lucca, 247 - Uma mulher de 37 anos foi violentamente agredida por um grupo que teria se identificado como apoiador do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) em Recife, Pernambuco. O crime teria acontecido no dia das eleições, 7 de outubro, após a apuração, no Bairro da Arruda. A jovem, que prefere ser identificada, teve escoriações pelo corpo e teve o pulso quebrado durante a agressão.

Segundo uma amiga de "P", ela havia saído para votar com bottons e adesivos do candidato do PDT, Ciro Gomes, e da campanha #EleNão, contra Bolsonaro. Mais tarde, em um bar, após a apuração dos votos, ela foi provocada pelo grupo.

"Eles começaram a mostrar que estavam armados e ela decidiu filmar, mas foi atacada covardemente logo em seguida. Arrancaram a blusa com os adesivos e espancaram até onde puderam. Eles só pararam porque foi socorrida pelos garçons que a trancaram na cozinha", relata a amiga.

Ela diz que a mulher, que trabalha com cinema, foi atendida por uma ambulância e levada até um hospital, onde ficou internada até a tarde desta quarta-feira (10).

"Ela teve o pulso quebrado, precisou passar uma cirurgia pela gravidade da lesão. Temos todos os laudos, e ela fará o boletim de ocorrência em breve, porque no dia da agressão ela ligou para a polícia e eles não atenderam o chamado", finaliza.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247