Bolsonaro defende frase de Carlos a favor da ditadura: “Ele tem razão”

Antes de deixar o hospital em SP, Jair Bolsonaro defendeu o seu filho e vereador licenciado do Rio, Carlos Bolsonaro (PSC-RJ). Ao pregar a ditadura, o parlamentar havia dito que, "por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos". Em entrevista à Record, o ocupante do Planalto defendeu o filho. “É uma opinião dele e ele tem razão"

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Antes de deixar o hospital nesta segunda-feira (16) em São Paulo, Jair Bolsonaro defendeu o seu filho e vereador licenciado do Rio, Carlos Bolsonaro (PSC-RJ). No útimo dia 9, o parlamentar afirmou que, "por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos". 

Em entrevista à Record, o ocupante do Planalto defendeu o filho. “É uma opinião dele e ele tem razão. Se fosse em Cuba ou na Coreia do Norte, já não teria aprovado tudo o que é reforma? Sem Parlamento? Demora porque tem a discussão, isso é natural”, afirmou.

Ao exemplificar a resposta do filho, Bolsonaro ainda cometeu uma gafe, dizendo que o filho teria cometido um “pleonasmo abusivo” como “o leite é preto”. Bolsonaro, no entanto, se corrigiu na mesma hora.

“São demoradas, sim, e ele até falou o óbvio. Eu se tivesse no português agora, no meu tempo de garoto, ia falar que essa é uma figura de linguagem conhecida como pleonasmo abusivo. Como o leite é preto… o leite é branco, o café é preto ou o gelo é gelado. Coisa óbvia”, afirmou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email