Bolsonaro diz que Petrobrás atende "interesses de alguns grupos" e ataca Castello Branco

O presidente afirmou que a má reação do mercado se deve ao fato de que investidores estão satisfeitos com a política de preços atual. Bolsonaro atacou Roberto Castello Branco, que trabalha à distância, por estar "sem trabalhar". No entanto, ele afirmou que a política de preços não será alterada

Roberto Castello Branco e Jair Bolsonaro
Roberto Castello Branco e Jair Bolsonaro
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada nesta segunda-feira (22), Jair Bolsonaro acusou a Petrobras de trabalhar para certos grupos, atacou o presidente da companhia, Roberto Castello Branco, e negou que a política de preços será alterada.

O presidente defendeu a nomeação de Joaquim Silva e Luna, e disse que investidores estão satisfeitos com a política atual de preços, que atende "os interesses próprios de alguns grupos":

"No dia 20 de março encerra o prazo da vigência do atual presidente. É direito meu reconduzir ou não. Não será reconduzido, qual o problema? É sinal que uns do mercado financeiro estão muito felizes com a política que só tem um viés na Petrobras, atender os interesses próprios de alguns grupos no Brasil, nada além disso", disse.

Nesta segunda (22), ações da Petrobras desabaram no Brasil e no mundo. O dólar também está em alta.

Bolsonaro ainda atacou Castello Branco por executar trabalho à distância: "O atual presidente da Petrobras está há 11 meses em casa sem trabalhar, trabalha de forma remota. Agora o chefe tem que estar na frente, assim como seus diretores. Isso para mim é inadmissível. Descobri isso há poucas semanas, imagina eu presidente em casa com medo da covid-19, ficando aqui o tempo todo aqui no Alvorada? Não justifica isso aí", condenou o presidente.

Apesar das críticas, Bolsonaro afirmou que não vai buscar interferir na política de preços: "Ninguém vai interferir na política de preços da Petrobras. Eu não consigo entender em um prazo de duas semanas ter uma variação do diesel de 15%. Não foi essa a variação do dólar aqui dentro nem no preço do barril lá fora. Então tem coisa aí que tem que ser explicada", concluiu.

As falas foram reportadas no Uol.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email