Bolsonaro e a democracia

Para o cientista político e professor da UFMG Carlos Ranulfo Melo, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) deverá passar para o segundo turno e romper a polarização estabelecida desde 1994 entre PT e PSDB; para ele, contudo, este movimento "mostra que estamos diante de algo mais profundo do que um fenômeno eleitoral. Assistimos à conformação do que pode vir a se constituir na base social para um movimento – não necessariamente um partido – de direita autoritária no país"

Bolsonaro e a democracia
Bolsonaro e a democracia (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Carlos Ranulfo Melo, no Observatório das Eleições - Ao que indicam as pesquisas mais recentes, Bolsonaro estará no segundo turno e conseguirá romper a polarização estabelecida desde 1994 entre PT e PSDB. Em tentativas anteriores, Ciro Gomes (1998 e 2002) e Marina Silva (2010 e 2014) tentaram fazê-lo adotando duas estratégias distintas.

No caso de Ciro, o objetivo era deslocar o PT (e Lula), substituindo-o como a referência de centro-esquerda, contrária ao programa de reformas de caráter neoliberal conduzido pelos governos do PSDB. Trata-se, diga-se de passagem, da mesma estratégia adotada agora e ameaçada pelo crescimento de Haddad nas pesquisas. Marina, por sua vez, tentou mudar o eixo programático em torno do qual vinha se desenvolvendo a disputa pela Presidência da República. Para tanto, se apresentava como uma alternativa à "velha política", materializada, segundo seu discurso, na disputa entre petistas e tucanos.

Guardadas as devidas diferenças, Bolsonaro segue a estratégia adotada por Marina e tem conseguido mudar o foco do debate. Por um lado, retira do centro das atenções a discussão em torno da política econômica e do papel do estado na redução das desigualdades que marcam o país. Por outro, contrapõe, ao arranjo institucional proveniente da Constituição de 1988, a necessidade de um governo "forte", de perfil marcadamente autoritário e determinado a atropelar direitos e garantias que lhe apareçam pela frente.

Em outro contexto, tal tentativa estaria fadada ao fracasso. O tosco discurso do candidato dificilmente prosperaria não fossem os desmedidos esforços de parcela do poder judiciário e da mídia tradicional em criminalizar a política e jogar na lata do lixo tudo o que a democracia brasileira acumulou nas últimas décadas. Bolsonaro é um dos produtos desejado por uns ainda que não por todos os que se envolveram na empreitada de "limpar" a política brasileira.

De todo modo, cabe dizer que o desempenho do candidato do PSL nas pesquisas mostra que estamos diante de algo mais profundo do que um fenômeno eleitoral. Assistimos à conformação do que pode vir a se constituir na base social para um movimento – não necessariamente um partido – de direita autoritária no país. Na sua versão mais extrema, presenciamos algo impensável a apenas alguns anos atrás: grupos de cidadãos clamando a céu aberto pela volta dos militares ao poder.

Eleitoralmente, esse processo se traduz no fato de que Bolsonaro está conseguindo, ao que parece de forma irreversível, retirar o antipetismo do guarda-chuva do PSDB e leva-lo para o seu campo. Nas eleições anteriores, o PSDB manteve o antipetismo nos limites de um enfrentamento sistêmico, ao enquadra-lo no discurso em prol de uma agenda de reformas que tinha como eixo a retomada de padrões ortodoxos de política econômica como condição para um crescimento sustentável. Neste percurso Aécio Neves constituiu uma exceção ao sustentar, na campanha de 2014, que o PT era a razão de todos os males brasileiros e, fechadas as urnas, ao declarar que havia sido derrotado por "uma organização criminosa". Bolsonaro leva Aécio às últimas consequências ao propor a eliminação dos adversários e ao usar o antipetismo como uma arma para se arremeter contra a democracia.

Se existe algo sobre o qual não pode haver dúvida é que Bolsonaro, e seu vice, constituem uma ameaça à democracia. Em trabalho recente, Scott Mainwaring e Anibal Pérez-Liñan (Democracies and Dictatorships in Latin America, editado pela Cambridge University Press), mostram de forma convincente que a variável de maior impacto sobre a manutenção das democracias na América Latina é o grau de compromisso normativo com a democracia demonstrado pelos atores políticos mais influentes. E quanto a isso o presidenciável e seu colega de chapa já demonstraram de que lado estão: elogiam torturadores e enaltecem o legado da ditadura militar, defendem normas e procedimentos autoritários como modelo a seguir, tratam os oponentes como inimigos, desprezam minorias e ignoram direitos humanos.

O problema torna-se mais grave quando setores do mercado embarcam na mesma canoa. Confiantes na varinha mágica vendida no posto Ipiranga, aceitam o autoritarismo explícito em troca de uma solução econômica que lhes convenha. Com isso demonstram seu baixo compromisso com a democracia e sua disponibilidade para apoiar aventuras outras como, nos dizeres do vice Mourão, um "autogolpe".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247