Bolsonaro e Mandetta continuam brigando sobre o uso da cloroquina para tratar coronavírus

Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde continuam travando embate público em torno da cloroquina. O ocupante do Planalto defende o uso desse medicamento no combate ao coronavírus, enquanto Mandetta adverte para a não comprovação científica e efeitos colaterais

Luiz Henrique Mandetta e Jair Bolsonaro
Luiz Henrique Mandetta e Jair Bolsonaro (Foto: PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Enquanto Luiz Henrique Mandetta dava entrevista à imprensa no Palácio do Planalto, afirmando que o Ministério da Saúde não recomendava o uso indiscriminado de cloroquina contra o coronavírus, Jair Bolsonaro divulgava vídeo nas redes sociais em que a médica Nise Yamaguchi defende abordagem diferente.

O protocolo do Ministério da Saúde indica a prescrição do medicamento para casos graves e críticos da doença. Já Yamaguchi, que é apontada como eventual substituta do ministro, recomenda o uso da cloroquina já no segundo dia após o início dos sintomas da covid-19.

Bolsonaro compartilhou entrevista de Yamaguchi ao canal CNN Brasil. Ela reconhece que as evidências científicas ainda estão sendo construídas, mas ressalta que médicos e hospitais já trabalham com a medicação, informa  reportagem dos jornalistas Paulo Saldaña e Renato Machado na Folha de S.Paulo. 

Já o MInistério da Saúde emitiu nota técnica em 27 de março, orientando o uso da cloroquina apenas em pacientes em estado grave e crítico, a depender de decisão do médico e com autorização da família do paciente. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email