Bolsonaro prepara recriação do Ministério da Segurança para ter polícias como base de sustentação

Jair Bolsonaro vai recriar o Ministério da Segurança Pública para se aproximar ainda mais dos policiais militares e reforçar esta base de sustentação de seu governo do seu governo

Polícia de São Paulo é recordista em mortes 
Polícia de São Paulo é recordista em mortes  (Foto: FOTO: Diogo Moreira)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro vai finalmente realizar a aspiração das polícias de ter um representante na Esplanada dos Ministérios para defender seus interesses corporativos, como já acontece com evangélicos e militares das Forças Armadas. 

Bolsonaro aposta no apoio de PMs e bombeiros, para reforçar sua base de apoio, no momento em que seu governo está em crise, com queda de aprovação e contestação em diversos setores políticos e sociais. O setor, que conta com 470 mil integrantes desempenhou papel ativo na campanha eleitoral de Bolsonaro.

“Quem fez a campanha (para eleger Bolsonaro) foram os PMs e bombeiros. Na hora de virar chefe, viraram (ministros) os comandantes das Forças Armadas”, afirmou o líder do PSL no Senado, Major Olimpio (SP), defensor de pautas policiais no Legislativo, entusiasta da recriação da pasta e ex-aliado de Bolsonaro.

Reportagem de O Estado de S.Paulo aponta que a recriação do Ministério da Segurança com um nome de um representante da área policial ajudará o apoio ao governo. 

O setor não esconde a insatisfação com o fato de ser mais numeroso do que as Forças Armadas, que têm 360 mil homens e três oficiais no primeiro escalão: Walter Braga Netto (Casa Civil), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo).

A recriação do Ministério da Segurança Pública é alvo de intensa disputa há meses. O principal candidato ao posto de ministro é o ex-deputado Alberto Fraga (DEM), tratado como uma espécie de “ministro informal” por Bolsonaro, o que causa ciúmes dentro do governo. Segundo o major Olímpio, senador por São Paulo, os ministros militares não querem Fraga, têm preconceito porque ele é PM. 

A ideia é que, num primeiro momento, o novo ministério cuide de questões como integração com a segurança dos Estados e municípios, sem ter ascendência sobre Polícia Federal (PF) e Polícia Rodoviária Federal (PRF). 

Associações de policiais defendem que o novo ministro poderia desenvolver operações integradas entre os Estados. A ideia é apoiada pelo ministro Jorge Oliveira, da Secretaria-Geral da Presidência, major da reserva da PM no Distrito Federal. 

O clã Bolsonaro defende bandeiras caras ao setor das polícias, como o discurso do excludente de ilicitude e endurecimento penal. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email