Bolsonaro pressiona Receita Federal a perdoar dívidas de “pastores” evangélicos

Jair Bolsonaro está pressionando a Receita Federal para que as dívidas tributárias das igrejas evangélicas sejam na prática anuladas. Ele ordenou à equipe econômica “resolver o assunto”. So uma delas, a Igreja Internacional da Graça de Deus, tem R$ 144 milhões em débitos inscritos na Dívida Ativa da União

(Foto: ABr | PR)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Jair Bolsonaro promoveu uma reunião no Planalto na última segunda-feira, 27, entre o deputado federal David Soares (DEM-SP), filho do empresário R. R. Soares, dono da Igreja Internacional da Graça de Deus e o secretário especial da Receita Federal, José Barroso Tostes Neto. No encontro, Bolsonaro pressionou o secretário da Receita para que a Receita cancele a  dívida tributária de R$ 144 milhões da igreja.

A informação é das jornalistas Idiana Tomazelli e Adriana Fernandes, no jornal O Estado de S.Paulo. Bolsonaro já ordenou à equipe econômica “resolver o assunto”, da Igreja Internacional e de outras, mas a queda de braço continua por resistência do órgão. Há pelo menos 12 processos em âmbito administrativo na Receita envolvendo dívidas tributárias de igrejas. 

A pressão de Bolsonaro ocorre no contexto no qual ele tenta remontar sua base parlamentar com o centrão e parlamentares ligados à bancada evangélica, que tem 91 membros, de acordo com o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).

PUBLICIDADE

A Igreja Universal do Reino de Deus, do bispo Edir Macedo, por exemplo, tem seis processos em andamento no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), última instância administrativa para recorrer às autuações do Fisco. 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email