Bolsonaro quer saída de Bivar e refundação do PSL

Cada vez mais intensa, a guerra interna no PSL está levando Jair Bolsonaro e seus seguidores a brigar na Justiça para afastar da direção o deputado Luciano Bivar e seu grupo, para em seguida refundar a agremiação

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - “Ou limpamos a casa ou achamos uma casa limpa”, disse à Folha o ex-ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Admar Gonzaga. Ao lado de Karina Kufa, ele tem auxiliado Bolsonaro a encontrar uma saída para o impasse com o PSL, informam as jornalistas Thais Arbex e Talita Fernandes. 

Mas, a advogada considera que Bolsonaro não deve sair do PSL, considerando que a sigla cresceu graças à sua candidatura presidencial em 2018. 

Ela defende a saída de Bivar, "o presidente que está lá desde 1989, que não possibilitou nenhuma eleição interna de forma minimamente democrática”, afirma.   

A guerra interna no PSL atingiu um ponto de ebulição nesta terça-feira (15), quando enndereços ligados a Bivar foram alvo de operação da Polícia Federal. Há versões de que Bolsonaro sabia da operação da PF, sob comando do ministro da Justiça Sérgio Moro.   

Ainda de acordo com a reportagem, os advogados de Bolsonaro estão focados na refundação do PSL, inclusive com a mudança de nome do partido, que tem convenção nacional marcada para dezembro. No entanto, Bivar controla a maioria dos 101 filiados que têm direito a voto.   

Nas contas dos aliados de Bolsonaro, o presidente da República seria “engolido” se fosse para uma disputa de chapa com o grupo liderado por Bivar.   Nestas condições e levando em conta que não há possibilidade de um acordo interno, a aposta de Bolsonaro é a via judicial para provar que o partido, sob o comando de Bivar, não está aplicando os recursos públicos do fundo partidário de maneira correta.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247