Bolsonaro radicaliza discurso contra imprensa para blindar governo de suspeitas de corrupção

Eleito com um discurso demagógico de "tolerância zero" a irregularidades, Jair Bolsonaro, ao ser confrontado com a realidade de que estas se multiplicam em seu governo, radicaliza o discurso contra a imprensa para não perder eleitores polarizados por aquele discurso

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Reportagem de Gustavo Uribe e Talita Fernandes na Folha de S.Paulo destaca que Jair Bolsonaro voltou a radicalizar seu discurso público contra denúncias e críticas publicadas pela imprensa, na tentativa de blindar o governo e evitar desgaste de imagem com os casos de corrupção e as irregularidades em seu governo.  

Para evitar aumento da rejeição, ele adotou uma estratégia que tem se tornado praxe na atual gestão. 

Em momentos de críticas, o Palácio do Planalto eleva o tom na tentativa de enfraquecer o impacto de notícias negativas.  

Com isso, Bolsonaro tenta também dar munição para que sua base eleitoral continue a defender seu governo.   

Segundo auxiliares de Bolsonaro ouvidos pelo jornal, Bolsonaro tem medo de perder apoio na sua base eleitoral.   A reportagem informa que as suspeitas de corrupção estão tendo repercussão negativa para Bolsonaro nas redes sociais e minando as bases do bolsonarismo.    

Nos três episódios mais recentes de denúncias de corrupção envolvendo auxiliares próximos do Planalto, Bolsonaro radicalizou a retórica.  

Primeiro, na semana seguinte à operação da Polícia Federal contra o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), por suspeita de desvios em obras públicas, Bolsonaro disse que não falaria mais com a imprensa.   

Nesta semana, Bolsonaro disse que a Folha foi “às profundezas do esgoto”, porque o jornal informou que há indícios de que a campanha eleitoral do então candidato a presidente recebeu recursos via caixa 2 do esquema de candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais.  

E na última terça-feira, na entrada do Palácio da Alvorada, Bolsonaro chamou a imprensa de "fétida".  Na véspera, Bolsonaro afirmou que a cobertura jornalística não pode continuar com "covardia" e "patifaria".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247