Bolsonaro veta projeto que estabelecia prazo para rede de saúde notificar casos de violência contra mulher

Em uma mensagem enviada ao Congresso, Jair Bolsonaro justificou o veto alegando que os ministérios da Saúde e da Mulher, Família e Direitos Humanos teriam se manifestado contra o projeto de lei

(Foto: Marcos Corrêa/PR | Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro vetou um projeto de lei que a rede de saúde pública e privada notificasse à polícia em um prazo máximo de 24 horas os casos de violência contra a mulher. Em uma mensagem enviada ao Congresso, Bolsonaro justificou o veto alegando que os ministérios da Saúde e da Mulher, Família e Direitos Humanos haviam se manifestado contra o projeto.

Segundo reportagem do jornal O Globo, os ministérios teriam recomendado o veto sob a justificativa de que "a proposta contraria o interesse público ao determinar a identificação da vítima, mesmo sem o seu consentimento e ainda que não haja risco de morte, mediante notificação compulsória para fora do sistema de saúde, o que vulnerabiliza ainda mais a mulher".

De acordo com o projeto, a notificação seria empregada para a adoção de “providências cabíveis e para fins estatísticos". A legislação atualmente em vigor já determina a notificação, mas não estabelece prazos e nem inclui os casos com indícios de violência, abordando somente os casos confirmados, além de não direcionar que a informação seja encaminha à polícia. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email