Boulos pergunta: até onde irá Eduardo Cunha?

Líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos, faz alerta contra a presidência do peemedebista na Câmara: “Eduardo Cunha avança numa marcha avassaladora. Viola regras democráticas e repete votações a seu gosto. A complacência de hoje poderá ter um preço alto no futuro. Precisa ser barrado, antes que seja tarde para o Brasil”

Líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos, faz alerta contra a presidência do peemedebista na Câmara: “Eduardo Cunha avança numa marcha avassaladora. Viola regras democráticas e repete votações a seu gosto. A complacência de hoje poderá ter um preço alto no futuro. Precisa ser barrado, antes que seja tarde para o Brasil”
Líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos, faz alerta contra a presidência do peemedebista na Câmara: “Eduardo Cunha avança numa marcha avassaladora. Viola regras democráticas e repete votações a seu gosto. A complacência de hoje poderá ter um preço alto no futuro. Precisa ser barrado, antes que seja tarde para o Brasil” (Foto: Roberta Namour)

247 – O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos, contesta a condução da presidência da Câmara por Eduardo Cunha (PMDB).

“Ele é o dono da bola e faz questão de deixar isso claro. Conduz as sessões com seu sorriso cínico, deixa a votação correr até assegurar a maioria, telefona da cadeira de presidente para os deputados faltantes, convocando-os. Sem nenhum pudor impõe suas regras ao processo democrático”, diz.

Sua meta de longo prazo, diz ainda, é o parlamentarismo: “Um belo atalho ao poder máximo da República para alguém que não o conseguiria pelo voto popular”. E alerta: “Eduardo Cunha avança numa marcha avassaladora. Viola regras democráticas e repete votações a seu gosto. A complacência de hoje poderá ter um preço alto no futuro. Precisa ser barrado, antes que seja tarde para o Brasil” (leia mais).

Ao vivo na TV 247 Youtube 247