Bretas vê 'excesso' da Lava Jato e devolve celular e cheques à Marcela Temer

Juiz da 7.ª Vara Federal do Rio, Macelo Bretas, disse ver "excessos" praticados pela Lava Jato e determinou a devolução à ex-primeira-dama Marcela Temer de um aparelho celular, um talão de cheques e um contrato de locação; material havia sido apreendido pela Polícia Federal durante a Operação Descontaminação, que resultou na prisão, por quatro dias, do ex-presidente Michel Temer pela suspeita do recebimento de propinas nas obras da construção da usina nuclear de Angra 3, no Rio

Bretas vê 'excesso' da Lava Jato e devolve celular e cheques à Marcela Temer
Bretas vê 'excesso' da Lava Jato e devolve celular e cheques à Marcela Temer (Foto: Carolina Antunes/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O juiz da 7.ª Vara Federal do Rio, Macelo Bretas, disse ver "excessos" praticados pela Lava Jato e determinou a devolução à ex-primeira-dama Marcela Temer de um aparelho celular, um talão de cheques e um contrato de locação. Material havia sido apreendido pela Polícia Federal no dia 21 de março, durante a Operação Descontaminação, que resultou na prisão, por quatro dias, do ex-presidente Michel Temer pela suspeita do recebimento de propinas nas obras da construção da usina nuclear de Angra 3, no Rio.

"Verifica-se que houve excesso no cumprimento da diligência, que alcançou bens particulares da requerente sem a devida autorização judicial", disse Bretas em sua decisão. "O auto circunstanciado de busca indica claramente que o talonário de cheques pertence à requerente, assim como o contrato de locação e o aparelho celular Iphone , em poder de Marcela Temer quando da diligência", determinou. Apesar da devolução do material, Bretas não autorizou que um IPad fosse devolvido à ex-primeira-dama.

"No que tange ao iPad, não há comprovação de que realmente pertença à requerente. Isto porque o bem foi arrecadado no escritório da residência do casal e não há documentos hábeis a comprovar a propriedade alegada, razão pela qual deve permanecer, ao menos por ora, apreendido", justificou Bretas.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247