Câmara contraria Dilma e aprova indexador

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça (24) uma regra para garantir a execução da lei que troca o indexador das dívidas dos Estados e municípios; a proposta segue para análise dos senadores e foi aprovada pelos deputados com 389 votos favoráveis e duas abstenções; líderes de todos os partidos, inclusive o PT, partido da presidente Dilma Rousseff, e o PC do B, fiéis aliados, deram aval ao projeto; nesta terça, no entanto, a presidente Dilma Rousseff chegou a afirmar que não tem condições de bancar a troca do indexador devido às turbulências econômicas

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça (24) uma regra para garantir a execução da lei que troca o indexador das dívidas dos Estados e municípios; a proposta segue para análise dos senadores e foi aprovada pelos deputados com 389 votos favoráveis e duas abstenções; líderes de todos os partidos, inclusive o PT, partido da presidente Dilma Rousseff, e o PC do B, fiéis aliados, deram aval ao projeto; nesta terça, no entanto, a presidente Dilma Rousseff chegou a afirmar que não tem condições de bancar a troca do indexador devido às turbulências econômicas
A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça (24) uma regra para garantir a execução da lei que troca o indexador das dívidas dos Estados e municípios; a proposta segue para análise dos senadores e foi aprovada pelos deputados com 389 votos favoráveis e duas abstenções; líderes de todos os partidos, inclusive o PT, partido da presidente Dilma Rousseff, e o PC do B, fiéis aliados, deram aval ao projeto; nesta terça, no entanto, a presidente Dilma Rousseff chegou a afirmar que não tem condições de bancar a troca do indexador devido às turbulências econômicas (Foto: Valter Lima)

247 - A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (24) uma regra para garantir a execução da lei que troca o indexador das dívidas dos Estados e municípios. A proposta segue para análise dos senadores e foi aprovada pelos deputados com 389 votos favoráveis e duas abstenções. Líderes de todos os partidos, inclusive o PT, partido da presidente Dilma Rousseff, e o PC do B, fiéis aliados, deram aval ao projeto. Nesta terça, no entanto, a presidente Dilma Rousseff chegou a afirmar que não tem condições de bancar a troca do indexador devido às turbulências econômicas.

O texto estabelece que o governo tem o prazo de 30 dias para assinar os aditivos contratuais com os novos índices. Se essa etapa não for cumprida neste período, os Estados e municípios ficam autorizados a aplicar automaticamente o novo indexador. Com a nova lei, o indexador das dívidas passa a ser o IPCA, o índice oficial de inflação, mais 4% ao ano, ou, se esta for menor, a taxa básica de juros definida pelo Banco Central. Atualmente, os débitos são corrigidos pelo IGP-DI mais juros de 6% a 9%.

Ao todo, 180 municípios serão favorecidos pela nova lei. A maior beneficiada é a cidade de São Paulo, que tem dívida de R$ 62 bilhões com a União. Com a mudança dos índices de correção, o valor deve ser reduzido para R$ 36 bilhões, de acordo com projeções feitas pela prefeitura.

Ao longo do dia, o Planalto trabalhou contra a alternativa que foi costurada pela cúpula do Congresso para forçar a execução da lei. A negociação foi costurada diretamente pelos presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Os Estados de Renan e Cunha, Alagoas e Rio de Janeiro, respectivamente, estão entre os maiores beneficiados pela alteração, ao lado de São Paulo. Alagoas é governada pelo filho do presidente do Senado, Renan Filho.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247