Cardozo ao 247: oposição sofre de 'esquizofrenia'

O ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, disse, nesta terça (30), em entrevista ao 247, que a oposição sofre de uma espécie de "esquizofrenia grotesca", numa crítica direta à representação movida contra a presidente Dilma Rousseff e contra o ministro Edinho Silva, da Secretaria da Comunicação Social, em decorrência da delação do empresário Ricardo Pessoa; o argumento de Cardozo é que ninguém pode entrar com uma representação na PGR contra a presidente sem saber do que se trata, uma vez que o texto integral da delação possui caráter sigiloso; "Como alguém pode querer sustentar uma acusação com base em provas que ninguém conhece?", questiona Cardozo

O ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, disse, nesta terça (30), em entrevista ao 247, que a oposição sofre de uma espécie de "esquizofrenia grotesca", numa crítica direta à representação movida contra a presidente Dilma Rousseff e contra o ministro Edinho Silva, da Secretaria da Comunicação Social, em decorrência da delação do empresário Ricardo Pessoa; o argumento de Cardozo é que ninguém pode entrar com uma representação na PGR contra a presidente sem saber do que se trata, uma vez que o texto integral da delação possui caráter sigiloso; "Como alguém pode querer sustentar uma acusação com base em provas que ninguém conhece?", questiona Cardozo
O ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, disse, nesta terça (30), em entrevista ao 247, que a oposição sofre de uma espécie de "esquizofrenia grotesca", numa crítica direta à representação movida contra a presidente Dilma Rousseff e contra o ministro Edinho Silva, da Secretaria da Comunicação Social, em decorrência da delação do empresário Ricardo Pessoa; o argumento de Cardozo é que ninguém pode entrar com uma representação na PGR contra a presidente sem saber do que se trata, uma vez que o texto integral da delação possui caráter sigiloso; "Como alguém pode querer sustentar uma acusação com base em provas que ninguém conhece?", questiona Cardozo (Foto: Valter Lima)

Paulo Moreira Leite - "Estamos diante de um caso de esquizofrenia grotesca," disse o ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, em entrevista ao 247, referindo-se a uma representação contra a presidente Dilma Rousseff e contra o ministro Edinho Silva, da Secretaria da Comunicação Social.

O argumento de Cardozo, que já foi exposto numa nota a imprensa divulgada no fim da tarde de hoje (leia aqui), é que ninguém pode entrar com uma representação na PGR contra a presidente sem saber do que se trata -- e até o dia da apresentação da denúncia da Lava Jato, o texto integral da delação premiada terá um caráter sigiloso.

"Como alguém pode querer sustentar uma acusação com base em provas que ninguém conhece?", questiona Cardozo. Para o ministro, não custa lembrar delações premiadas divulgadas por jornais e revistas que, mais tarde, verificou-se não terem o menor fundamento. "O Cid Gomes chegou a ser capa de uma revista, acusado de envolvimento na Lava Jata. Viu-se depois que não havia nada daquilo."

Outro caso -- esse não foi lembrado pelo ministro -- é aquela mercadoria que entrou para os anais da operação com o apelido, dado por um integrante do Ministério Público, de "bosta seca". É a disputa de versões entre Alberto Yousseff e Paulo Roberto Costa sobre um pagamento a Antonio Palocci, como contribuição para a campanha de Dilma em 2010. Costa garante que fez a remessa. Yousseff diz que isso não ocorreu.

Outro aspecto é jurídico. Quem divulga uma informação que sabe ser falsa, recorda o ministro, pode ser enquadrado no crime de "denunciação caluniosa". O delito é definido no artigo 339 do Código Penal, que integra o capítulo dos crimes praticados contra a Administração Pública. A pena prevista é de 2 a 8 anos. O ministro considera que isso ficará claro quando se demonstrar que a acusação feita por Aécio, de que houve "clara chantagem" contra Ricardo Pessoa não tem o menor fundamento.

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247