Carol Proner: decisão de Fux é ilegal e prova urgência de reforma do Judiciário

Carol Proner, doutora em Direito, professora da UFRJ e diretora do Instituo Joaquín Herrera Flores – IJHF, repudiou a decisão do presidente do STF, Luiz Fux, que censurou as entrevistas que o ex-presidente Lula concederia a jornalistas; em seu perfil no Facebook, a jurista escreveu na manhã deste sábado (29) que Fux atendeu a um pedido ilegítimo, reforçando a necessidade urgente de uma reforma no Judiciário

Carol Proner: decisão de Fux é ilegal e prova urgência de reforma do Judiciário
Carol Proner: decisão de Fux é ilegal e prova urgência de reforma do Judiciário
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Carol Proner, doutora em Direito, professora da UFRJ e diretora do Instituo Joaquín Herrera Flores – IJHF, repudiou a decisão do presidente do STF, Luiz Fux, que censurou as entrevistas que o ex-presidente Lula concederia a jornalistas. Em seu perfil no Facebook, a jurista escreveu na manhã deste sábado (29) que Fux atendeu a um pedido ilegítimo, reforçando a necessidade urgente de uma reforma no Judiciário.

"Por que o Ministro Fux (o pai da Marianna) fez isso com ele mesmo? Exercendo, em substituição, o cargo de Presidente do STF, Luiz Fux faz algo inovador: atende a um pedido ilegítimo de parte (somente pessoa jurídica de direito público poderia pedir a suspensão da liminar) e censura, de forma nunca vista na Corte, a decisão de um colega Ministro para frustrar o sacrossanto direito à liberdade de imprensa. Vamos acumulando motivos para a urgente reforma do judiciário", escreveu Proner.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247