Caso Queiroz/Bolsonaros: a questão é o que não responderam

Jornalista Marcelo Auler lembra que "este envolvimento dos Bolsonaros com as milícias já era conhecido e divulgado"; "Foi, por exemplo, noticiado pelo O Estado de S.Paulo em 5 de setembro de 2018, na reportagem de Constança Rezende: Policiais presos em operação no Rio participaram de campanha de filho de Bolsonaro. À época, porém, a preocupação maior era barrar a candidatura petista", destaca, em texto para o Jornalistas pela Democracia

Caso Queiroz/Bolsonaros: a questão é o que não responderam
Caso Queiroz/Bolsonaros: a questão é o que não responderam

Por Marcelo Auler, do Jornalistas pela Democracia, em seu blog - Na entrevista do procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem, na segunda-feira, 21/01, talvez mais sintomático do que todas as explicações que ele quis dar sobre a ação legal do Ministério Público estadual fluminense, tenha sido perguntas que deixaram de ser respondidas.

Gussem, por exemplo, aos 23 minutos da entrevista (como poderá ser visto abaixo, onde publicamos o vídeo com a íntegra da mesma). Alegou impedimento para responder sobre possíveis vínculos da família Bolsonaro com as milícias do Rio de Janeiro. A pergunta, feita por este Blog, gerou certa surpresa entre alguns jornalistas presentes.

Não leram, nem sequer tomaram conhecimento das informações de Luís Nassif, no JornalGGN, em Xadrez do fim do governo Bolsonaro. No seu artigo, Nassif levanta alguns fortes indícios das ligações dos Bolsonaros com as milícias que dominam diversas comunidades no Rio. Cita o caso da Operação Quarto Elemento a qual, "deflagrada no dia 25 de abril de 2018 pelo Ministério Público Estadual, destinou-se a desbaratar a maior milícia do estado, que atuava na Zona Oeste do Rio".

Nela, como lembrou, foram presas 43 pessoas. Diz ainda que "o maior negócio da quadrilha era a extorsão" e acrescenta que entre os presos estavam "os irmãos gêmeos, PMs Alan e Alex Rodrigues de Oliveira, que atuavam como seguranças de Flávio Bolsonaro na campanha de 2018. Flávio defendeu-se tratando-os apenas como voluntários sem maiores ligações. Fotos no Twitter desmentiam, mostrando intimidade ampla dos Bolsonaro – pai e filho – com os irmãos".

Antigas relações – Este envolvimento dos Bolsonaros com as milícias já era conhecido e divulgado. Foi, por exemplo, noticiado pelo O Estado de S.Paulo em 5 de setembro de 2018, na reportagem de Constança Rezende: Policiais presos em operação no Rio participaram de campanha de filho de Bolsonaro. À época, porém, a preocupação maior era barrar a candidatura petista.

Coincidentemente, na mesma segunda-feira, menos de duas horas depois de Gussem se recusar a falar sobre as possíveis ligações com milícias, Lauro Jardim, em sua coluna em O Globo, anunciava: Queiroz se escondeu na favela de Rio das Pedras. A nota lembrou o domínio da área por milicianos:

"Queiroz se abrigou numa casa na favela de Rio das Pedras, também na Zona Oeste. É a segunda maior favela da cidade e dominada da primeira à última rua pela milícia mais antiga do Rio de Janeiro." (o grifo é do original).

Na manhã desta terça-feira (22/01), o mesmo O Globo noticiou a Operação Os Intocáveis, desencadeada pelo MPRJ e pela polícia civil fluminense na comunidade de Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio. Entre os presos estão "ao menos cinco suspeitos de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes".

Segundo a reportagem, "os presos são integrantes da milícia mais antiga e perigosa do estado". Trata-se da favela Rio das Pedras, "dominada da primeira à última rua pela milícia mais antiga do Rio de Janeiro", como noticiou Jardim.

Defesa e homenagem – Novamente o jornal foi obrigado a lembrar passagens em que os Bolsonaros se envolveram com milicianos, defendendo-os e os homenageando. Consta do site do jornal: "Alvos de operação, milicianos foram homenageados por Flávio Bolsonaro em 2003 e 2004". O texto dos jornalistas Chico Otávio e Vera Araújo explica:

"Os dois principais alvos da Operação Intocáveis , o ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega e o major da PM Ronald Paulo Alves Pereira, foram homenageados, em 2003 e 2004, na Assembleia Legislativa do Rio por indicação do deputado estadual Flávio Bolsonaro. O parlamentar sempre teve ligação estreita com policiais militares".

Em outra reportagem do jornal – Flávio Bolsonaro empregou mãe e mulher de chefe do Escritório do Crime em seu gabinete -, os repórteres Bruno Abbud, Igor Melo e Vera Araújo relatam:

"Flávio Bolsonaro empregou até novembro do ano passado a mãe e a mulher do capitão Adriano Magalhães da Nóbrega , tido pelo Ministério Público do Rio como o homem-forte do Escritório do Crime, organização suspeita do assassinato de Marielle Franco. O policial, alvo de um mandado de prisão nesta terça-feira, é acusado há mais de uma década por envolvimento em homicídios".

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247