Celso Rocha de Barros: Bolsonaro é o policial com o joelho no pescoço de Manaus enquanto a cidade grita 'I Can't Breathe'

Colunista Celso Rocha de Barros destaca que a "falta de disposição" e a "psicopatia" de Jair Bolsonaro colocou o Brasil "no fim da fila do mundo para a vacinação". Em referência ao colapso em Manaus, o sociólogo reforça que "Bolsonaro aumentou o imposto de importação dos cilindros de oxigênio, enquanto baixava as tarifas para as armas"

Celso Rocha de Barros e Jair Bolsonaro
Celso Rocha de Barros e Jair Bolsonaro
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Jair Bolsonaro é o policial com o joelho no pescoço de Manaus enquanto a cidade grita 'I can’t breathe' (Eu não consigo respirar)", escreve o sociólogo Celso Rocha de Barros em coluna publicada no jornal Folha de S.Paulo.

O colunista destaca que, "três semanas antes da tragédia de Manaus, Bolsonaro aumentou o imposto de importação dos cilindros de oxigênio -enquanto baixava as tarifas para as armas que pretende usar em seu golpe de Estado". 

"Bolsonaro faz campanhas contra vacinas e contra o uso de máscaras. Bolsonaro nos colocou no fim da fila do mundo para a vacinação, não só por sua conhecida falta de disposição para o trabalho, mas também por psicopatia: torceu contra e gargalhou com cada notícia ruim sobre as vacinas compradas pelo governador João Doria. Até que chegou o dia em que viu que não tinha jeito e resolveu confiscá-las e mentir que quem as comprou foi ele", diz.

De acordo com o sociólogo, "durante toda a pandemia, o presidente da República oscilou entre a negligência criminosa e a sabotagem sádica contra quem pelo menos tentasse combater a doença - como alguns ministros e governadores tentaram". "Até 2018, o resto do mundo olhava para o Brasil e se perguntava, 'Como um país desses não se desenvolve?' Depois de dois anos de Bolsonaro, concluíram que “Ah, por isso” e foram fazer outra coisa".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email