CEO do Carrefour Brasil participou de livro chamado ‘A empresa antirracista’

CEO da empresa onde nesta semana um homem negro foi brutalmente assassinado, Noël Prioux foi entrevistado pelo autor do livro para contar como age na corporação para incluir a população negra

Noël Prioux
Noël Prioux (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O CEO do Carrefour Brasil, Noël Prioux, integra como entrevistado o livro "A empresa antirracista", organizado pelo jornalista e publicitário Mauricio Pestana. 

A obra foi lançada em 9 de novembro, 10 dias antes, portanto, do assassinado de João Alberto Silveira Freitas, homem negro morto de forma brutal por seguranças de uma loja do Carrefour em Porto Alegre.

No livro, o CEO conta que "no Carrefour temos um forte propósito de cuidar e valorizar todas as pessoas, zelando pela boa qualidade das relações que mantemos com todos. Por isso, nos comprometemos em atuar em conformidade com normas internacionais e nacionais de direitos humanos, além de boas práticas de responsabilidade social. Iniciamos nosso trabalho mais especificamente no ano de 2012, com a elaboração de uma Política de Valorização da Diversidade com o objetivo de disseminar a cultura do respeito a todas as pessoas e combater todo e qualquer tipo de discriminação. No mesmo ano, criamos uma Plataforma de Diversidade e Inclusão, que busca trabalhar com todos os públicos: colaboradores, clientes, fornecedores e sociedade civil, com o objetivo de impactar o negócio, a marca e a sociedade, por meio da promoção da igualdade de oportunidades e um ambiente de trabalho com respeito”.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247