Chantagem com Veja faz Bastos deixar Cachoeira

Ex-ministro anuncia que não vai mais advogar para contraventor; decisão foi motivada por tentativa de coação feita por Andressa Mendonça sobre juiz federal; de R$ 15 milhões combinados para a defesa, Marcio Thomaz Bastos rebeceu R$ 5 milhões; escritório adianta que dinheiro não vai ser devolvido; é caixa!

Chantagem com Veja faz Bastos deixar Cachoeira
Chantagem com Veja faz Bastos deixar Cachoeira (Foto: Edição/247)

247 – A toalha está no tablado. O advogado e ex-ministro da Justiça Marcio Thomaz Bastos anunciou nesta terça-feira 31 que abandonou a defesa de seu até então cliente Carlinhos Cachoeira. A decisão foi motivada pela detenção, ontem, em Goiânia, da mulher de Cachoeira, Andressa Mendonça, acusada de tentar chantagear o juiz federal Alderico Rocha Santos. Na versão do juiz, Andressa afirmou que o jornalista Policarpo Jr., diretor de redação da revista Veja em Brasília, havia produzido um dossiê com notícias negativas sobre ele, a pedido de Cachoeira. As informações poderiam não ser publicadas, também pode decisão de Cachoeira, se ele concedesse um álvara de soltura ao marido dela. O assédio foi denunciado à Polícia Federal, que realizou busca e apreensão na casa de Andressa e a deteve para esclarecimentos. Libertada, ela terá de pagar R$ 100 mil como fiança e foi proibida de visitar o marido no presídio da Papuda.

Sob a defesa de Thomaz Bastos, Cachoeira foi orientado a não se pronunciar diante da CPI montada para esclarecer o caso. O contraventor também foi instruído a ser evasivo na audiência diante da Justiça de Goiás, na semana passada. O ex-ministro impetrou diferentes pedidos de habeas corpus para Cachoeira, mas não teve sucesso em nenhum. Informação não desmentida deu conta da cobrança de R$ 15 milhões em honorários advocatícios, a serem pagos em três parcelas. A primeira, de entrada, no valor de R$ 15 milhões, foi paga, caso contrário o advogado não teria comparecido com o cliente na CPI do Cachoeira.

"A saída do caso foi amigável. Nosso acordo era defender o empresário Carlinhos Cachoeira apenas até a audiência da semana passada. Fui uma saída natural", disse a advogada Dora Cavalanti, da equipe de Thomaz Bastos, ao jornal Folha de S. Paulo, negando relação direta com o caso Andressa. "Durante o processo surgem atritos naturais entre o cliente e seus defensores", completou. Segundo advogados da equipe de Thomaz Bastos, não há previsão de pagamento por ressarcimento ao réu.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247