Christian Dunker: no neoliberalismo, cada um é seu próprio fascista

Uma das principais referências do País em psicanálise, o professor da USP e escritor Christian Dunker tornou-se famoso nas redes sociais ao lançar um canal no Youtube para falar sobre o tema; em entrevista à TV 247, ele aponta as novas características sociais resultantes da mescla do neoliberalismo e do fascismo, descreve Jair Bolsonaro, fala sobre o Escola sem Partido e outros assuntos; assista

Christian Dunker: no neoliberalismo, cada um é seu próprio fascista
Christian Dunker: no neoliberalismo, cada um é seu próprio fascista

247 - Uma das principais referências em psicanálise no Brasil, o professor da USP e escritor Christian Dunker tornou-se famoso nas redes sociais ao lançar um canal no YouTube sobre experiências de transmissão da psicanálise.

Em entrevista à TV 247, ele aponta as novas caraterísticas sociais resultante da mescla entre o neoliberalismo e fascismo. Para ele, tal junção tornou o indivíduo mais uniforme. "O ser humano olha para si como uma empresa que não pode dar prejuízos. No neoliberalismo, cada um é seu próprio fascista", analisa.

O fenômeno Jair Bolsonaro

O psicanalista reproduz uma análise do discurso do presidente eleito, já feita anteriormente em seu canal, onde recebeu quase 1 milhão de visualizações. A relação dos eleitores com Bolsonaro "assemelha-se a de um pai e filho", observa. "Ele oferece segurança em troca de obediência", compara. 

"O medo e o desamparo estão disponíveis na praça. Estes sentimentos de insegurança foram fundamentais para sua ascensão", expõe. 

Neofascismo 

Dunker aponta que, atualmente, o fascismo agregou características neoliberais. "O neoliberalismo também tem o ponto de vista da moral. Ou seja, o indivíduo precisa olhar para si mesmo como se fosse uma empresa, não pode dar prejuízos, precisa olhar para sua saúde como forma de investimento", observa. 

"Esse acréscimo neoliberal faz com que o líder fascista não exerça a coerção de forma direta, mas sim pela uniformidade, pois, no neoliberalismo, cada um é seu próprio fascista", aponta. 

Na conversa com os jornalistas Mauro Lopes e Gisele Federicce, o professor fala ainda sobre o Escola sem Partido e as aflições do "condomínio", a tese de seu livro "Mal-estar, sofrimento e sintoma - uma psicopatologia do Brasil entre muros", que acaba de ser republicado pela Editora Boitempo.

Inscreva-se na TV 247 e confira a entrevista:

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247