Com Bolsonaro, Petrobras se torna "uma petroleira de boutique", afirma senador Jean Paul Prates

Governo Bolsonaro avança na entrega de refinarias e abre mão dos 10% que ainda detinha no gasoduto no Nordeste. Senador Jean Paul Prates alerta para atentado à soberania nacional e violação dos interesses nacionais

www.brasil247.com - Jean Paul Prates e Jair Bolsonaro
Jean Paul Prates e Jair Bolsonaro (Foto: Agencia Câmara | Reuters)


PT - Em meio à mais brutal queda da economia brasileira em cem anos e da pior crise sanitária da história, o governo Bolsonaro avança na proposta de desmonte da Petrobrás, no esforço de entregar o patrimônio público nacional a preço de banana. O alerta é do presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Petrobrás, senador Jean Paul Prates (PT-RN), que denuncia a política suicida empreendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. “A Petrobrás vai deixar de ser a referência nacional do setor petrolífero no mundo para se tornar uma petroleira de boutique”, adverte o parlamentar.

Ele criticou a decisão do governo de manter o desmonte da Petrobrás, com a a venda até 2021 de oito refinarias, o equivalente a quase 50% da sua capacidade atual de refino do país. A Petrobrás pretende vender as refinarias Abreu e Lima (PE), Xisto (PR), Presidente Getúlio Vargas (PR), Landulpho Alves (BA), Gabriel Passos (MG), Alberto Pasqualini (RS), Isaac Sabbá (AM) e a Refinaria de Lubrificantes e Derivados (CE). Jean Paul afirma que não há justificativa econômica para a empresa abrir mão das refinarias, justamente quando o mundo vive uma crise econômica sem precedentes.

Atualmente, 86% da produção da Petrobras está concentrada no Rio de Janeiro e em São Paulo, enquanto o restante está distribuído entre estados do Norte e Nordeste. Até 2019, a empresa tinha papel importante no desenvolvimento sócio-econômico de estados e municípios das duas regiões, mas a ascensão de Bolsonaro reduziu a atuação da Petrobras. Jean Paul Prates lembrou ainda que o mercado de produção e distribuição de combustível é composto por 19 refinarias, 157 distribuidores de combustíveis e 40,9 mil postos de combustível. “Não existe mercado de refino no Brasil e no mundo”, alertou. “O que existe é um mercado de combustível, que pode ser adquirido tanto em refinarias locais quanto no mercado externo”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ação no Supremo

No início de julho, os presidentes da Câmara,  Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pediram ao Supremo Tribunal Federal a concessão de uma medida cautelar para impedir a venda das refinarias da Petrobrás na  Bahia e no Paraná. A denúncia é de que a petroleira burlou a legislação para repassar ativos à iniciativa privada sem o aval do Legislativo, o que é proibido por lei. Nesta quarta-feira, Rodrigo Maia anunciou que vai retirar-se do polo ativo da ação, depois de um encontro com Paulo Guedes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Petrobrás lamentou a decisão de Maia. “O governo vem avançando na venda de refinarias que constituem partes essenciais da empresa-mãe, a  Petróleo Brasileiro S/A – Petrobrás, procurando subterfúgios meramente retóricos, como o da ‘venda de ativos’ para burlar a determinação legal e driblar a decisão do STF”, aponta Jean Paul. Ele adverte que a lei exige autorização do Congresso para a venda de estatais e o STF se manifestou pela dispensa desse aval no caso da privatização de subsidiárias.

A correria para o desmanche da Petrobrás começou a partir de uma investigação conduzida pelo Conselho Administrativo de Direito Econômico, que recebeu denúncia do sindicato de refinarias, alegando que a estatal teria abusado da posição dominante no mercado de combustíveis. Isso foi em dezembro de 2018. Quando Bolsonaro assumiu o governo, o presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco, correu ao Cade para propor um acordo em que abria mão de 50% do mercado de refino nacional, sem que o órgão tenha sequer condenado a empresa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Revisão do acordo do Cade

Especialista no mercado de petróleo, economista e ex-funcionária da estatal, Jean Paul Prates avalia que o processo do Cade e o acordo celebrado com a Petrobrás precisam ser revistos. Ele ressalta que o Cade não chegou a analisar os impactos da venda dessas refinarias nos mercados consumidor e de distribuição de combustíveis. O senador ressalta que o risco é a formação de “monopólios regionais privados e incontroláveis” com a saída da Petrobras da atividade de refino.

“É crime lesa-pátria e um atentado à soberania nacional e aos interesses nacionais”, critica. E esclarece: “O Cade jamais chegou a recomendar a venda das refinarias. Esse era um processo pontual, movido por importadores de combustíveis de pontos específicos da costa brasileira”.

Nesta terça-feira, 21 de julho, a Petrobrás confirmou ter vendido os 10% de ações remanescentes que ainda detinha na Transportadora Associada de Gás (TAG), uma rede de gasodutos de 4,5 mil quilômetros de extensão nos litorais do Sudeste e Nordeste. A Engie Brasil pagou R$ 1 bilhão e passou a deter 65% do controle acionário da TAG. Os 35% restantes pertencem ao fundo canadense Caisse de dépôt et placement du Québec. Em junho do ano passado, 90% das ações da TAG foram vendidas pela Petrobrás para os dois grupos ao preço de R$ 33,5 bilhões. Jean Paul diz que a venda da TAG não atende ao interesse público.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na segunda-feira, 20 de julho, a Associação dos Engenheiros da Petrobrás (Aepet) alertou que a pandemia do coronavírus trouxe impacto sério ao desenvolvimento de novas áreas de exploração e produção de óleo e gás no Brasil e no mundo. Uma avaliação da Rystad Energy aponta queda de 75% dos investimentos no setor:  US$ 47 bilhões, uma quantia que seria ainda menor se não fosse a forte participação da Noruega e Rússia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email