Com Lula Livre, PF agora deflagra ação contra filho do ex-presidente

Com a libertação de Lula e o crescimento da popularidade do ex-presidente, a Lava Jato tenta mais uma vez interferir no cenário político nacional e utiliza supostas investigações para atingir aquele que enxerga como grande ameaça à extrema-direita. O objetivo da nova fase da operação é aprofundar as investigações sobre repasses financeiros realizados por empresas do grupo Oi/Telemar em favor de empresas do grupo Gamecorp/Gol, controladas por Fábio Luis Lula da Silva. Não há ordens de prisão

(Foto: Reuters | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 -   Com a libertação de Lula e o crescimento da popularidade do ex-presidente, Lava Jato tenta mais uma vez interferir no cenário político nacional e utiliza supostas investigações para atingir aquele que enxerga como grande ameaça à extrema-direita. Fábio Luis Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, é o mais novo alvo da Operação. São cumpridos na manhã desta terça-feira (10) 47 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Distrito Federal. Não há mandandos de prisão expedidos. 

PF e o Ministério Público Federal (MPF) investigam pagamentos de R$ 132 milhões da Oi para empresas do filho do ex-presidente Lula. A movimentação ocorre semanas após  STF conceder liberdade ao ex-presidente Lula. 

Essa é a 69ª fase da Operação Lava-Jato e foi batizada de "Mapa da Mina", um desdobramento da 24ª fase. 

Lembrando que em 2016, a pedido da Lava Jato, a Polícia Federal analisou a evolução patrimonial de Fábio e concluiu que não existia indícios de corrupção, como revelou o Portal GGN. 

O conteúdo do relatório foi publicado pelo Estadão nesta terça (25), em matéria sob o título “Lulinha teve rendimento de R$ 5,2 milhões em dez anos”. Só no último parágrafo é que o jornal informa: “O relatório da PF aponta que a evolução patrimonial de Lulinha, entre 2004 e 2014, é compatível com suas finanças.” 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email