Com reservatórios em baixa, Brasil aumenta compra de gás da Bolívia

Petrolífera boliviana YPFB subiu em 38% a exportação para o Brasil em dezembro em relação ao mesmo mês de 2011; secretário do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, garantiu que não há risco de apagão no país

Com reservatórios em baixa, Brasil aumenta compra de gás da Bolívia
Com reservatórios em baixa, Brasil aumenta compra de gás da Bolívia
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A estatal petrolífera boliviana YPFB afirmou que aumentou em 38% o envio de gás natural para o Brasil em dezembro em relação ao mesmo mês de 2011.

"O Brasil está exigindo o máximo do volume [de gás natural] estabelecido em contrato devido à alta demanda por geração térmica sempre que os níveis dos reservatórios ficam baixos", afirmou Jorge Sosa Suárez, diretor da YPFB.

Na média, a Bolívia exportou 31,6 milhões de metros cúbicos/dia de gás ao Brasil no mês passado. No pico, em 21 de dezembro, a YPFB enviou 32,6 milhões.

O secretário executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, garantiu a presidente Dilma que não há risco de apagão no país e que o sistema está operando dentro de um equilíbrio estrutural para o qual foi planejado.

Segundo o professor do Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEE) da Universidade de São Paulo (USP), Edmilson Moutinho dos Santos, o governo deveria postergar as metas de reduzir em 16% o custo da energia elétrica para os consumidores. De acordo com ele, a atual situação dos reservatórios das usinas hidrelétricas não exige um aumento nas tarifas, no entanto, não permite redução dos preços.

“O governo recusou-se lá [no apagão de 2001] a aumentar o preço da energia para diminuir o consumo. Lá se falava de 'tarifaços', o governo achou aquilo politicamente incorreto e não quis comprar essa briga de aumentar o preço da energia e tentar segurar o consumo”, disse em entrevista à Agência Brasil. “Hoje talvez seja ainda precipitado de falar sobre algum tarifaço com o mesmo viés. Mas certamente não é precipitado, e já estamos atrasados, em chegar claramente na televisão e dizer que a promessa de [redução de] 20% no preço da energia foi postergada”.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email