Comandante do Exército diz que país não tem recursos para enfrentar uma guerra

Depois de Jair Bolsonaro ter feito a bravata da pólvora, insinuando que poderia passar da diplomacia à guerra com os Estados Unidos no futuro governo de Joe Biden, o comandante do Exército, general Edson Pujol, afirmou que a força militar não tem recursos para defender a soberania do país

General Edson Pujol, comandante do Exército
General Edson Pujol, comandante do Exército (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O comandante do Exército, general Edson Pujol, disse nesta quinta-feira (12), que a força militar não tem recursos para defender o país.

A afirmação foi feita depois que o presidente Jair Bolsonaro fez a bravata da pólvora, insinuando que o Brasil poderia ir para o confronto bélico com os Estados Unidos no futuro governo Joe Biden, caso este insista em sancionar o país devido à destruição da Amazônia. Ele citou a defesa antiaérea como um dos pontos em que a capacidade do Exército tem de melhorar.

Em franca contradição com Bolsonaro, o comandante do Exército descartou existir alguma ameaça real ao Brasil e afirmou que tem atuado para impedir que a  política partidária entre nos quartéis. 

Ele discordou também do uso do Exército na execução de tarefas de combate aos crimes ambientais na Amazônia. Em vez disso, defendeu a criação de uma Guarda Nacional, que assumiria funções como esta. 

As informações são do Estado de S.Paulo. Pujol fez as declarações durante evento do Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa do qual participaram os ex-ministros da Defesa Raul Jungmann e do Gabinete de Segurança Institucional, general Sérgio Etchegoyen. “O general Etchegoyen me perguntou se haveria algum país em nosso continente que seria uma ameaça ao Brasil. Eu digo. Hoje não, mas não sabemos daqui 3 ou 4 anos. Por isso fazemos nosso planejamento estratégico.”

Ao ser indagado por Jungmann sobre o envolvimento das Forças Armadas com a política, Pujol afirmou: “O que eu tenho a dizer é que nesses dois anos o Ministério da Defesa e as três Forças se preocuparam exclusivamente e exaustivamente com assuntos militares. E acrescentou que as Forças brasileiras são proporcionalmente as menores do mundo em relação ao tamanho de nosso território e do população e em relação à importância geoestratégica e econômica do Brasil.

Pujol defendeu o distanciamento do Exército da política partidária. Não nos metemos nas questões políticas? "Não nos metemos em áreas que não nos dizem respeito. Não queremos fazer parte da política governamental ou do Congresso Nacional e muito menos queremos que a política entre em nossos quartéis.” 

O general se distanciou da prática generalizada no governo Bolsonaro de militares assumirem cargos no governo, afirmando que se trata de decisão "exclusiva da administração do Executivo".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247