CPI da 'Lava Toga' divide base do governo Bolsonaro

A chamada CPI da Lava Toga, que investigaria o Judiciário, dividiu a base bolsonarista, informa a coluna Painel da Folha de S.Paulo. A divisão atinge as fileiras da extrema-direita dentro e fora do Congresso

(Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

247 - A chamada CPI da Lava Toga, que investigaria o Judiciário, dividiu a base bolsonarista, informa a coluna Painel da Folha de S.Paulo.  

Youtubers que apoiam o governo de extrema-direita tentam demover apoiadores do presidente de irem a manifestações convocadas para o dia 25 pelos  lavajatistas em defesa da apuração, que é um incômodo para o Supremo.  

A tentativa de uma ala do Senado Federal de criar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o “ativismo judicial” de autoridades de tribunais superiores, especialmente ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), tem sido alvo de discussões desde o início da atual legislatura.  

A CPI da "Lava Toga”, tem gerado conflitos dentro do PSL, partido de Jair Bolsonaro.  O filho mais velho do ocupante do Planalto, senador Flávio Bolsonaro, comandou uma articulação contra a criação da CPI que causou um racha dentro do PSL, o que fez com que alguns parlamentares ameaçassem deixar a legenda. 

Uma senadora, a juíza Juíza Selma Arruda (PSL-MT), já deixou as fileiras partidárias.   

Outros, parlamentares, favoráveis à "Lava Toga", ameaçam criar problemas para a tramitação de pautas de interesse do governo no Senado, como a Reforma da Previdência e as sabatinas de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), possível indicado à embaixada brasileira em Washington, e de Augusto Aras, indicado por Bolsonaro para a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247