CPI vai ouvir presidente do HSBC e ex-diretores do metrô

Comissão aprovou nesta quinta-feira 9 convite para que o presidente do HSBC no Brasil, Guilherme Brandão, preste esclarecimentos; também foram aprovadas convocações para dois ex-diretores do metrô de São Paulo, Paulo Celso Silva e Ademir Venâncio de Araujo; ambos aparecem em listas como detentores de contas na filial suíça daquele banco, investigados por suposta evasão fiscal

Comissão aprovou nesta quinta-feira 9 convite para que o presidente do HSBC no Brasil, Guilherme Brandão, preste esclarecimentos; também foram aprovadas convocações para dois ex-diretores do metrô de São Paulo, Paulo Celso Silva e Ademir Venâncio de Araujo; ambos aparecem em listas como detentores de contas na filial suíça daquele banco, investigados por suposta evasão fiscal
Comissão aprovou nesta quinta-feira 9 convite para que o presidente do HSBC no Brasil, Guilherme Brandão, preste esclarecimentos; também foram aprovadas convocações para dois ex-diretores do metrô de São Paulo, Paulo Celso Silva e Ademir Venâncio de Araujo; ambos aparecem em listas como detentores de contas na filial suíça daquele banco, investigados por suposta evasão fiscal (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Senado - A CPI do HSBC aprovou na reunião que realiza na manhã desta quinta-feira (9) a realização de uma audiência pública com o presidente do banco no Brasil, Guilherme Brandão.

Também foram aprovadas convocações para dois ex-diretores do metrô de São Paulo, Paulo Celso Silva e Ademir Venâncio de Araujo. Ambos aparecem em listas como detentores de contas na filial suíça daquele banco, investigados por suposta evasão fiscal.

129 nomes investigados

Também foi aprovado o compartilhamento de informações com o Banco Central e a Receita Federal sobre os 129 brasileiros que já são alvo de investigações. O ofício prevê o esclarecimento sobre os processos já instaurados, prazo de conclusão e o atual andamento de cada tramitação.

Também devem ser informados os dados pessoais e as informações das contas bancárias mantidas no HSBC suíço, assim como o número de brasileiros que declararam ao BC serem titulares de contas no exterior.

Abaixo, texto anterior publicado pelo 247:

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do HSBC, que apura possíveis fraudes cometidas por brasileiros que abriram contas na filial suíça do HSBC, aprovou, nesta quinta-feira (9), convite para que o presidente do banco no Brasil, Guilherme Brandão, preste esclarecimentos a comissão.

Inicialmente, a intenção de alguns membros da CPI , como o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP)era para que Brandão fosse convocado. O pedido de convocação foi contestado pelos senadores Blairo Maggi (PR-¬MT) e Cássio Cunha Lima (PSDB-¬PB) que alegaram que o presidente da instituição financeira pouco contribuiria para as investigações. Por acordo ficou decidido que Brandão seria convidado e não convocado.

Como a participação não é obrigatória, ele poderá indicar um funcionário para prestar os esclarecimentos sobre o assunto.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247