Crime eleitoral para impedir o povo de votar foi planejado no Palácio da Alvorada

"Obviamente, nunca se tratou de uma preocupação com a marca da imparcialidade", denuncia o jornalista Lauro Jardim

www.brasil247.com - Silvinei Vasques, Bolsonaro e Palácio do Planalto
Silvinei Vasques, Bolsonaro e Palácio do Planalto (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil | REUTERS/Ueslei Marcelino | Roberto Stuckert Filho/PR)


247 - “A ação protagonizada hoje pela Polícia Rodoviária Federal que acontece hoje nas estradas brasileiras com ações que dificultando o transporte de eleitores começou a ser articulada na noite do dia 19 de outubro. Naquela quarta-feira, o núcleo duro da campanha de Jair Bolsonaro se reuniu no Palácio da Alvorada e traçou as ações fundamentais que devem ser tomadas na reta final do segundo turno”, informa o jornalista Lauro Jardim em sua coluna no jornal O Globo.

“Uma delas era justamente a ação que está sendo feita desde a madrugada de hoje: os chefes dos órgãos que auxiliarão a Justiça Eleitoral, como as Forças Armadas, PF e Polícia Rodoviária Federal, seriam instruídos para que os seus comandados ficassem atentos ao transporte irregular de eleitores, sobretudo no Nordeste. Obviamente, nunca se tratou de uma preocupação com a marca da imparcialidade.”, acrescenta.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247