Cuidado com “brinquedo” que pode atrapalhar voos

Apontador de laser verde um risco sade e segurana dos brasileiros; Polcia Civil apreendeu mais de 230 instrumentos contrabandeados em So Paulo; laser, que alcana um quilmetro de distncia, lanado em avies e pode prejudicar pousos e decolagens no Aeroporto de Congonhas

Cuidado com “brinquedo” que pode atrapalhar voos
Cuidado com “brinquedo” que pode atrapalhar voos (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Diego Iraheta _247 - É um brinquedo multifuncional. Nos estádios de futebol, serve para irritar jogadores do time adversário e tirar a concentração deles na hora do lance. Nos arredores do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, costuma atrapalhar ação de pilotos durante pousos e decolagens. Nos bairros nobres da capital paulista, atravessa a janela de apartamento alheio, invadindo domicílios e retinas. Poderia ser um brinquedo, mas o apontador de laser verde é, na verdade, um estorvo multifuncional que está mobilizando esforços de médicos e policiais do País.

Na semana passada, a Polícia Civil de São Paulo fez a maior ofensiva contra a venda ilegal desses instrumentos nada inofensivos. Os policiais prenderam seis comerciantes na Rua 25 de Março, no centro da cidade. Foram apreendidos mais de 230 apontadores de laser. Todos chegaram ao Brasil contrabandeados de países como China e Rússia – um crime contra a ordem econômica.

“A venda desse laser é feita em desconformidade com a lei; não tem manual em português, vem de contrabando de fora e ainda provoca danos”, explica ao 247 o delegado divisionário de Infrações contra o Consumidor, Paulo Roberto Robles. A equipe da operação constatou o poder do apontador de laser verde, que alcança até um quilômetro de distância. De acordo com o delegado, a engenharia do “brinquedo” é semelhante à do laser acoplado em um fuzil R15, utilizado para fins militares.

Não é à toa que o artefato, muitas vezes na mão de crianças e adolescentes, pode atrapalhar o tráfego aéreo, principalmente as operações de pousos e decolagens. “Alguns espíritos de porco jogam esse laser na cabine; os pilotos são instruídos a desviar o olhar. Mas, se bate no vidro do avião, a luz verde brilha mais ainda e ofusca a visibilidade”, alerta o delegado Paulo Roberto Robles.

Agressão aos olhos

Para quem se depara com os apontadores ligados, eles se parecem mais com um canhão de luz verde, usado em shows para iluminar palcos. Na internet (foto acima), eles são vendidos livremente, como no site Mercado Livre. A potência do laser pode chegar a 500 mW – nível escandalosamente maior que o recomendado por autoridades sanitárias. “A venda ao público deveria ser limitada a apontadores com saída de potência de 1 mW, que é algo bem fraco; o resto não poderia ser vendido porque pode afetar a saúde”, diz ao 247 o oftalmologista Jonathan Lake, do Oftalmed Hospital da Visão de Brasília.

Os apontadores de laser vermelho, de baixa potência, são geralmente utilizados em sala de aula. Eles não oferecem perigo à saúde ocular, mas tampouco devem ser dirigidos aos olhos dos estudantes. Já os apontadores de laser verde causam danos, que podem ser mais sérios ou brandos, a depender da distância da fonte do laser e do tempo de exposição a ele.

“Esse laser verde pode até queimar a retina, provocando um dano permanente à visão. Será uma perda visual permanente”, adverte Jonathan Lake. Por isso, pais devem evitar que crianças e adolescents tenham acesso ao artefato com potencial destrutivo de retinas. Quem sofreu com um jato de laser verde no rosto e sentiu algum desconforto deve marcar consulta com oftalmologista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email