Damares cogita tirar da família menina de 10 anos que fez aborto legal

Durante live com Jair Bolsonaro nas redes sociais, Damares afirmou que o governo vai proteger "essa menina em tudo que ela precisar", inclusive "saber se ela vai ficar melhor com a família ou em outro lugar"

Damares Alves
Damares Alves (Foto: Júlio Nascimento/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Metrópoles - A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou que pretende ajudar a criança de 10 anos que fez um aborto autorizado pela Justiça após ser vítima de estupros e engravidar, no interior do Espírito Santo. Um tio da menina está preso e é suspeito pelo crime.

Ao participar da transmissão semanal que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) faz às quintas, Damares disse também que o governo não pretende mudar a legislação sobre o aborto legal, previsto quando a gravidez é fruto de estupro ou quando há perigo de vida para a mãe ou não há chances de sobrevida do feto.

“Não, o governo Bolsonaro não vai apresentar nenhuma proposta para mudar a legislação atual de aborto. Isso é um assunto do Congresso Nacional, o Congresso Nacional que decida por lá”, disse a ministra nesta quinta (27/8).

“O que nós vamos fazer, especificamente neste caso, é continuar acompanhando, e a gente proteger essa menina em tudo que ela precisar. Inclusive saber se ela vai ficar melhor com a família ou em outro lugar. Mas nós vamos dar o acompanhamento a essa menina até o final das investigações”, afirmou Damares, sem entrar em detalhe sobre o que estaria em seu poder fazer.

Após realizar a interrupção da gravidez em outro estado e sob forte pressão de grupos extremistas, a criança e sua família entraram num programa de proteção do governo do Espírito Santo que lhes garante nova morada e novos nomes.

Confira a resportagem completa no site Metrópoles.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247