David, 10, atira em mestra, em si mesmo e morre

Bom aluno, dono de boas notas, ele usou o revlver 38 do pai, guarda municipal, para atingir sua professora Rosileide Queiros

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um menino de 10 anos atirou contra uma professora dentro da sala de aula na Escola Professora Alcina Dantas Feijão, em São Caetano do Sul, no ABC paulista, por volta das 15h30 desta quinta-feira. O crime chocou os moradores da região, não só por envolver uma criança de apenas 10 anos, mas porque David Mota Nogueira era considerado um bom aluno, com notas altas, e a professora Rosileide Queiros tem fama de ser querida por todos. Além do mais, a escola Professora Alcina é considerada uma das melhores da região (é a melhor do estado de São Paulo, segundo o Enem) e São Caetano é a cidade com o maior IDH do país.

No momento dos disparos, havia 25 alunos no local. Segundo a Prefeitura da cidade. David disparou contra a professora de 38 anos, e em seguida, retirou-se da sala e atirou na própria cabeça. O aluno chegou a ser atendido no Hospital de Emergência Albert Sabin, na Avenida Keneddy, em São Caetano. Ele sofreu duas paradas cardíacas e morreu por volta das 16h50.

A professora foi socorrida pelo helicóptero Águia da Polícia Militar. Até o início da noite, o estado de saúde da professora era considerado bom e ela não enfrentava risco de morte.

Segundo informações do Diário Grande ABC, o garoto sofria bullying. Ele tinha uma deficiência que o levava a mancar o que fazia dele alvo de muitas gozações por parte dos colegas. A Prefeitura afirmou que o menino era considerado um aluno calmo e sem histórico de violência.

A Polícia Militar informou que o estudante usou um revólver calibre 38 e é filho de um guarda-civil municipal, mas não se sabe se a arma utilizada era do pai de David. Como os alunos que presenciaram o crime estavam muito nervosos, a polícia optou por não os questionar sobre o ocorrido.

As aulas da noite de quinta-feira e desta sexta-feira foram suspensas na escola. A Polícia Militar diz não ter informações sobre como a criança entrou com o revólver na escola. De acordo com o secretário municipal de Segurança Pública de São Caetano do Sul, Moacyr Rodrigues, a arma usada por David foi adquirida e registrada pelo pai do menino no ano passado e não pertencia à Guarda Municipal da cidade.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247