Defeitos da vacina preferida de Bolsonaro mostram que Brasil não pode ser refém de um único laboratório, diz Wellington Dias

O governador do Piauí Wellington Dias (PT-PI), que é também presidente do Consórcio do Nordeste, afirma que o Brasil não pode confiar apenas em uma farmacêutica fabricante da vacina, como quer o governo de Jair Bolsonaro

Governador do Piauí, Wellington Dias
Governador do Piauí, Wellington Dias (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Líder dos governadores no debate sobre a vacina, Wellington Dias (PT-PI) afirma que as falhas nos testes do AstraZeneca/Oxford reforçam a ideia de que o Brasil não pode se fiar em apenas um fabricante de vacinas.

Dias é o presidente do Consórcio de Governadores do Nordeste. Para ele, o governo federal deve  apostar em todos os imunizantes que forem liberados pela Anvisa. 

No Brasil, a vacina de Oxford será produzida na Fiocruz e tem a preferência do governo federal. "Se a da Pfizer ficar pronta, ou a Coronavac, ou a Sputnik, devem ser implementadas”, diz Wellington Dias, segundo o Painel da Folha de S.Paulo.

Dias afirma que os gestores ainda estão tentando entender, junto à OMS e à Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), qual o prejuízo no cronograma da vacina de Oxford. Foi revelado nesta quinta (26) que houve um erro na dosagem durante os testes, que gerou resultados diversos na eficácia.

Secretário de Saúde do Espírito Santo, Nésio Fernandes vai no mesmo sentido que o governador e diz que a imunização da população poderá se estender por anos.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247