Defesa de Lula explica por que pediu a suspensão do processo do triplex

"Há seis meses, advogados do ex-presidente pediram acesso a documentos que só foram disponibilizados há uma semana. São 100 mil páginas", explicam os advogados do ex-presidente, que divulgaram uma foto que mostra a quantidade do material

"Há seis meses, advogados do ex-presidente pediram acesso a documentos que só foram disponibilizados há uma semana. São 100 mil páginas", explicam os advogados do ex-presidente, que divulgaram uma foto que mostra a quantidade do material
"Há seis meses, advogados do ex-presidente pediram acesso a documentos que só foram disponibilizados há uma semana. São 100 mil páginas", explicam os advogados do ex-presidente, que divulgaram uma foto que mostra a quantidade do material (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em um texto divulgado no site do ex-presidente Lula, a defesa explica por que pediu a suspensão do processo que trata do triplex no Guarujá, e pelo qual Lula prestará depoimento na próxima quarta-feira 10 em Curitiba.

"Há seis meses, advogados do ex-presidente pediram acesso a documentos que só foram disponibilizados há uma semana. São 100 mil páginas", explicam os advogados, que divulgaram uma foto que mostra a quantidade do material.

Confira a íntegra do texto:

Por que a Defesa de Lula pediu a suspensão do processo do triplex?
Há seis meses, advogados do ex-presidente pediram acesso a documentos que só foram disponibilizados há uma semana. São 100 mil páginas


Na ação penal em que Lula é acusado de ser dono de um apartamento triplex no Guarujá, os procuradores federais responsáveis afirmam que o ex-presidente viria a receber o imóvel em questão da empreiteira OAS - sua real proprietária - em troca de ter supostamente beneficiado a empresa em contratos firmados com a Petrobras, na época em que Lula era presidente do Brasil.

A tese já foi desconstruída pelas mais de 70 testemunhas ouvidas no processo, e também por meio de provas documentais e periciais produzidas pela Defesa, a quem caberia apenas contestar as provas exibidas pelo Ministério Público Federal, que, no entanto, não apresentou prova alguma que baseasse sua convicção da culpa de Lula. 

A acusação de propina do MPF-PR se resume a três contratos realizados entre a OAS e a Petrobras. Seriam estes três contratos os que teriam passado sob a influência e mando de Lula, e em virtude desta ação gerado uma dívida informal da companhia com o então presidente, que viria a ser paga somente cinco anos depois, em 2014, quando Lula já era ex-presidente, por meio do tal apartamento do Guarujá, que ele jamais utilizou, sempre segundo a inusual tese acusatória. 

A fim de esclarecer de qual eventual forma teria Lula agido, os advogados do ex-presidente pediram, já no início da fase de instrução processual, há cerca de seis meses, o acesso aos documentos da Petrobras que estão relacionados aos três contratos que embasam a denúncia. O volume de material é grande, por isso a Defesa preocupou-se em solicitar o conteúdo documental pertinente ao caso já no começo da análise dos fatos.

Primeiramente, porém, o pedido foi negado pelo juiz Sérgio Moro. A Defesa, então, insistiu, ingressou com novo procedimento, levando mais argumentos da justeza do pleito. O magistrado, então, se convenceu, e autorizou a coleta do material para conhecimento dos defensores. Ocorre que Sérgio Moro não fixou prazo para a juntada dos documentos nos autos.

A Petrobras - que figura no processo como assistente de acusação, ao lado do MPF - por sua vez, entregou o material faltando uma semana para o fim da instrução processual, que é quando Lula será ouvido, na próxima quarta (10). A empresa juntou nada menos do que 100 mil páginas de documentos, sem índice ou ordem cronológica. A Defesa contratou uma gráfica, mas sequer teve tempo de imprimir tudo até agora. Veja na imagem acima o volume de material que têm que ler os advogados em sete dias.

Por isso, foi pedida a suspensão do processo por um período minimamente razoável para que não reste escancarado o cerceamento de defesa que representa uma situação como a que está posta. O ex-presidente Lula em mais de uma ocasião já explicitou que está ansioso pela oportunidade de se defender de seus acusadores no âmbito do processo que sofre. A Defesa pediu esses documentos há seis meses, não pode ser acusada de qualquer medida protelatória. Não pode ser justo que se distorçam os fatos

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247