Delegado bolsonarista é impedido de entrar armado em show e prende dono de estabelecimento

O delegado bolsonarista Huggo Leonardo foi impedido de entrar na casa de show Austin Pub, no último domingo (25), pelo fato de portar arma de fogo. Contrariado e irritado, ele deu voz de prisão a um dos proprietários do estabelecimento e exigiu que ele fosse levado de camburão

Delegado Huggo Leonardo
Delegado Huggo Leonardo (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O delegado de Polícia Civil Huggo Leonardo foi impedido de entrar na boate Austin Pub, em Fortaleza, na madrugada deste domingo, (26), por estar portando arma de fogo. 

Bolsonarista, o delegado possui várias postagens nas redes sociais ofendendo a ex-presidente Dilma Rousseff. 

Segundo publicado no Portal O Povo, a boate informou, através de nota, que o delegado não entendeu a situação e que os seguranças tentaram explicar para ele a política adotada pela casa, desde novembro de 2019, de impedir a entrada de pessoas armadas na casa. 

A assessoria da boate também afirmou que um advogado ainda o abordou e explicou fatos anteriores que fizeram a casa adotar a medida. Conforme o Austin, o delegado foi ríspido e solicitou a presença do sócio do local.

Ainda do lado de fora, conforme a nota, o sócio recebeu,"de maneira arbitrária, ilegal e desarrazoada, voz de prisão". A casa contou ainda que autoridade exigiu que ele fosse levado na parte de trás da viatura policial, conhecida como "camburão".

Veja algumas de suas postagens: 

huggo leonardo 1


huggo leonardo 2

 

huggo leonardo 3

 

huggo leonardo 4

 

huggo leonardo 5

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247