Denúncia de racismo faz escola se mexer

Depois que estagiria registrou queixa de racismo contra Colgio Internacional Anhembi Morumbi, em So Paulo, direo contrata consultoria especializada em diversidade

www.brasil247.com - Denúncia de racismo faz escola se mexer
Denúncia de racismo faz escola se mexer (Foto: Shutterstock)


Diego Iraheta _247 – Esta segunda-feira foi o primeiro dia de trabalho da estagiária Ester Elisa Cesário depois que ela denunciou os chefes por racismo. A jovem, que atua no setor de marketing do Colégio Internacional Anhembi Morumbi, ainda está muito abalada com a discriminação que afirma ter sofrido de uma diretora da escola situada no Brooklin, área nobre da capital paulista. Procurada pelo Brasil 247, Ester pediu mais tempo para refletir sobre o caso antes de dar entrevista. Em ocorrência registrada na Delegacia de Crimes Raciais de São Paulo, ela disse que foi advertida a alisar os cabelos crespos e vestir roupas para "esconder" os quadris.

De acordo com reportagem da Radioagência NP, Ester recebia “recados” de colegas para prender o cabelo até o dia em que foi ameaçada pela diretora. “O padrão daqui [da escola] é cabelo liso”, teria dito a representante do colégio. Após ser repreendida, Ester teria sido coagida a ficar em silêncio sobre a discriminação: “Cuidado com o que você fala por aí porque eu tenho 20 anos no colégio e você está começando agora”.

A Delegacia de Crimes Raciais já iniciou investigação sobre o caso. A ocorrência infringe a lei estadual contra a discriminação racial. Se for concluído que houve constrangimento da estagiária com base na cor, o Colégio Internacional Anhembi Morumbi pode ser multado e ter a licença suspensa.

Escola admite problema, mas nega racismo

Procurada pelo 247, a direção do Colégio Internacional Anhembi Morumbi informa que nunca teve intenção de causar qualquer constrangimento à estagiária. Em nota, a instituição sugere que a “orientação” sobre uso de uniforme para Ester foi semelhante à instrução dada para todos os estudantes e funcionários. “Foi instituído o uso de uniformes... para que o foco da atenção saia da aparência e seja dado ao indivíduo e sua natureza única, às suas potencialidades e características singulares”, diz a nota. Não há referência ao processo de alisamento, que teria sido “recomendado” pela diretora.

O Colégio Internacional Anhembi Morumbi também decidiu contratar uma “consultoria especializada em diversidade” para lidar melhor com o tema dentro da escola. Sem admitir a discriminação, a instituição reconhece que “a boa intenção das pessoas envolvidas não foi suficiente para gerar a acolhida e integração” esperada.

“Trabalharemos para entender os motivos e criar as condições necessárias para que atuais e futuros colaboradores se sintam totalmente integrados à equipe”, encerra a nota.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email