Desembargador corrige Moro e aponta seus erros em latim

O desembargador Siro Darlan de Oliveira aponta que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, errou em citação em latim que fez neste domingo (24); "Moro, para zombar de suas conversações WhatsApp com o procurador Dallagnol, errou a lição de latim", disse

Desembargador corrige Moro e aponta seus erros em latim
Desembargador corrige Moro e aponta seus erros em latim (Foto: Câmara dos Deputados | Reuters)

247 - O desembargador Siro Darlan de Oliveira fez uma postagem no Facebook onde aponta que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, errou em citação em latim que fez neste domingo (24); "Moro, para zombar de suas conversações WhatsApp com o procurador Dallagnol, errou a lição de latim", disse. 

Veja a postagem completa: 

O juiz Sérgio Moro, para zombar de suas conversações WhatsApp com o procurador Dallagnol, errou a lição de latim. Disse uma mentira literária, ainda que desvendada só por um espírito bizantino e levemente inútil como o meu. Um pouco de cultura como diz o juiz, cultura não aprendida na Internet ou em coletâneas de citações latinas publicadas por algum togado ou algum professor universitário gaiato que talvez nem conheça uma conjugação em latim. Nos meus semestres de latim na Université de Perpignan, na França, frequentei um pouco lugares-comuns da Ars Poetica, de Horácio, no original, em exercícios de classe de latim. A citação de Moro não é “direto de Horácio”, é direto da Internet ou de algum livrinho de citação. A lição, que faz autoridade, desse trecho de Horácio ostenta o futuro “parturient”, e não o presente “parturiunt” como escreve o curitibano. Horácio responde à questão: “Quid dignum [...] feret?”. O futuro se impõe para se coadunar com o futuro usado na pergunta. A citação com “parturiunt” (presente) convive na Internet e em alguns autores com o que Horácio realmente escreveu, “parturient” (futuro), porque, fora de contexto, como uma citação extraída de seu espaço semântico-poético, usada enquanto referência isolada, aceita bem o presente. Trata-se duma infidelidade para fins de citação. Pode-se fazer essa infidelidade. Como tantos outros professores, não a condeno, mas não se deve usar a ênfase arrogante, vaidosa e pseudoerudita: “direto de Horácio”. Direto de Horácio é “Parturient montes, nascetur ridiculus mus”, e não “Parturiunt...”, versão adulterada por antologias de citações.

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247