'Desestabilizaram o país e agora pagam o preço da destruição do Estado de Direito', diz Flávio Dino

"Aqueles que ajudaram a desestabilizar o país também pagam o preço da destruição das regras do Estado de Direito. O vale-tudo que passamos a viver desde 2015 prossegue. E pode ter um desfecho terrível, se não houver amplo diálogo e serenidade", afirmou o governador do Maranhão Flávio Dino

'Desestabilizaram o país e agora pagam o preço da destruição do Estado de Direito', diz Flávio Dino
'Desestabilizaram o país e agora pagam o preço da destruição do Estado de Direito', diz Flávio Dino
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Sem citar nominalmente Michel Temer, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), afirmou que o golpe de 2016 contra o mandato da ex-presidenta Dilma Rousseff, encabeçado por Michel Temer (PMDB) e Aécio Neves (PSDB), provocou o desmonte do Estado Democrático de Direito, refletindo diretamente na violação de direitos e garantias fundamentais.

"Aqueles que ajudaram a desestabilizar o país também pagam o preço da destruição das regras do Estado de Direito. O vale-tudo que passamos a viver desde 2015 prossegue. E pode ter um desfecho terrível, se não houver amplo diálogo e serenidade", escreveu o governador que foi juiz federal por mais de 12 anos.

Para Flávio Dino, o combate à corrupção é um dever cotidiano de todos, mas "a legitimidade da causa não justifica que leis sejam descumpridas em um vale-tudo".

"Esse equilíbrio que parte do Judiciário perdeu, levando a uma ultrapolitização de decisões. Algumas com fins nobres. Outras, nem isso", completou.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247