Desfile militar teve tanque dos anos 1970 e blindados da Guerra do Vietnã

Equipamentos utilizados no desfile promovido por Jair Bolsonaro para afrontar o Judiciário e o Legislativo são obsoletos e usam tecnologia ultrapassada, como motor a diesel e canhões da década de 70

www.brasil247.com -
(Foto: Pedro França/Agência Senado)


247 - Especialistas militares ouvidos pela BBC News Brasil avaliam que os tanques e carros de combate utilizados no desfile militar desta terça-feira (10), promovido por Jair Bolsonaro com o objetivo de afrontar o Legislativo e o Judiciário, mostraram que os equipamentos em uso no Brasil são obsoletos e usam tecnologia ultrapassada, como motor a diesel e canhões que datam da década de 70, da época da guerra do Vietnã. 

Parte dos veículos - que também serão empregados na Operação Formosa, um exercício militar da Marinha - carregavam no topo canhões do tipo SK-105 Kürassier,produzido pela Áustria no início dos anos 1970.Os SK-105 Kürassier são usados no Brasil exclusivamente pelo Corpo de Fuzileiros Navais e a compra de 17 unidades foi efetivada no final dos anos 1990. A entrega foi feita a partir de 2001. 

A Áustria, porém, já abandonou esse tipo de tanque há quase 30 anos. Atualmente, estes tanques leves permanecem em atividade na Argentina, Bolívia, Brasil, Botsuana, Marrocos e Tunísia. "Já andei nesses blindados e, na hora em que vi aquela fumaça, imaginei que o comandante deveria estar se borrando, com medo de que o veículo parasse na frente do presidente. Aquela fumaça preta significa que o motor está desgastado, a ponto de estourar e deixar o comandante na mão", disse João Marcelo Dalla Costa, especialista em veículos blindados e ex-professor da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Parte dos veículos de transporte VBTP (Viatura Blindada para Transporte de Pessoal) utilizados no desfile também são considerados obsoletos. “O M113, por exemplo, é usado desde a época da Guerra do Vietnã, que durou entre 1959 e 1975”, destaca a reportagem. Os blindados usados pelo Brasil, contudo, passaram por uma série de modernizações, mas são considerados ultrapassados frente aos equipamentos disponíveis no mercado bélico atualmente. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na parada, também foram exibidos blindados como o AAV-7A1, conhecido como Clanf (ou Carro sobre Lagarta Anfíbio), de origem norte-americana e o Piranha 3,  terceiro tipo que apareceu no desfile foi o Piranha 3, fabricado na Suíça e disponível no mercado há pelo menos cinco décadas. Apesar de portarem metralhadoras e lançadores de granadas, estes blindados podem ser alvos fáceis para drones e aeronaves em uso por outras forças militares. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Astros II, sistema de lançadores de foguetes produzido pela brasileira Avibras, também chamou a atenção dos especialistas. "Essa é a nata da tecnologia militar brasileira, o que temos de mais avançado junto com o veículo blindado Guarani [que não integra os treinamentos de Formosa]", ressaltou Costa. "Hoje, nossos foguetes têm entre 30 e 80 km de alcance, mas está em processo de construção um equipamento com 300 km de alcance, que permitirá defender toda a nossa região costeira", completou. 

"É evidente que nossa tecnologia está ultrapassada em relação ao que temos de mais avançado em outras partes do mundo, mas ela é condizente com o potencial bélico dos outros países da América Latina", avaliou Luiz Guilherme de Oliveira, professor da Universidade de Brasília (UnB) e autor de artigos sobre tecnologia militar e blindados."Talvez o Chile e a Venezuela se sobressaiam um pouco, já que possuem equipamentos de origem russa", observa Nelson Ricardo Fernandes da Silva, major da reserva do Exército e analista do portal Gestão de Risco. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais:

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email