Dilma defende criminalização da homofobia

Candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), deu uma declaração defendendo a criminalização da homofobia no Brasil; "Sou contra qualquer forma de violência contra pessoas. No caso especifico da homofobia, eu acho que é um ofensa ao Brasil. Então, fico triste de ver que temos grandes índices atingindo essa população. Acho que a gente tem que criminalizar a homofobia, que não é algo com o que a gente pode conviver", disse

Candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), deu uma declaração defendendo a criminalização da homofobia no Brasil; "Sou contra qualquer forma de violência contra pessoas. No caso especifico da homofobia, eu acho que é um ofensa ao Brasil. Então, fico triste de ver que temos grandes índices atingindo essa população. Acho que a gente tem que criminalizar a homofobia, que não é algo com o que a gente pode conviver", disse
Candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), deu uma declaração defendendo a criminalização da homofobia no Brasil; "Sou contra qualquer forma de violência contra pessoas. No caso especifico da homofobia, eu acho que é um ofensa ao Brasil. Então, fico triste de ver que temos grandes índices atingindo essa população. Acho que a gente tem que criminalizar a homofobia, que não é algo com o que a gente pode conviver", disse (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Após o final do debate entre presidenciáveis promovido pelo SBT, nesta segunda-feira (1º), a candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), deu uma declaração defendendo a criminalização da homofobia no Brasil.

"Sou contra qualquer forma de violência contra pessoas. No caso especifico da homofobia, eu acho que é um ofensa ao Brasil. Então, fico triste de ver que temos grandes índices atingindo essa população. Acho que a gente tem que criminalizar a homofobia, que não é algo com o que a gente pode conviver", disse Dilma.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247