Dilma diz temer 'banho de violência' durante eleições

Presidente deposta Dilma Rousseff condenou os atos hostis de manifestantes durante a caravana do ex-presidente Lula no Sul do país e afirmou que teme um "banho de violência" na campanha presidencial deste ano; Lula e aliados foram alvos de manifestantes que lançaram paus, pedras e ainda bloquearam vias para dificultar o deslocamento da caravana; "Vim denunciar o que pode acontecer na campanha, que é um banho de violência sobre nós que sempre fomos defensores da democracia e sempre que ela se restringiu o povo perdeu. Há no Brasil processos muito violentos que vão chegar à campanha eleitoral", disse; "Em todos os locais são milícias armadas, tem gente com revolver e bomba. Tem foto disso", completou

Ex-presidente Dilma Rousseff chega para entrevista coletiva no Rio de Janeiro 26/03/2018 REUTERS/Pilar Olivares
Ex-presidente Dilma Rousseff chega para entrevista coletiva no Rio de Janeiro 26/03/2018 REUTERS/Pilar Olivares (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - A ex-presidente Dilma Rousseff condenou os atos hostis de manifestantes durante a caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Sul do país e afirmou que teme um "banho de violência" na campanha presidencial deste ano.

Durante a passagem por cidades da Região Sul do Brasil, Lula e aliados foram alvos de manifestantes que lançaram paus, pedras e ainda bloquearam vias para dificultar o deslocamento do ex-presidente e correligionários.

Para Dilma, os atos são cometidos por grupos milicianos com viés fascista, cujo objetivo é romper com os ideias democráticos e alimentar o ódio e a violência no Brasil.

"Vim denunciar o que pode acontecer na campanha, que é um banho de violência sobre nós que sempre fomos defensores da democracia e sempre que ela se restringiu o povo perdeu. Há no Brasil processos muito violentos que vão chegar à campanha eleitoral", alertou ela ao citar casos de violência registrados em Porto Alegre, Santa Maria, Chapecó, São Borja e outras cidades.

Dilma também condenou as declarações da senadora Ana Amélia (PP-RS) que elogiou os que atiraram ovos e levantaram o relho contra Lula e seus aliados.

O PT está ingressando na Procuradoria-Geral da República com uma queixa-crime contra a parlamentar e com uma representação no Conselho de Ética do Senado.

"Em todos os locais são milícias armadas, tem gente com revolver e bomba. Tem foto disso", afirmou a ex-presidente

Em Brasília, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, comentou os episódios ocorridos na caravana de Lula e disse que o PT deveria rever a estratégia de percorrer o país em campanha com o ex-presidente.

"Nós entendemos que o presidente Lula não pode mais ser candidato. E essa decisão de hoje somente corrobora esse entendimento", disse, referindo-se à rejeição pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) dos embargos de declaração impetradas pela defesa do ex-presidente no processo do tríplex no Guarujá (SP).

"Talvez a forma como o PT está atuando, como se nada tivesse acontecido, percorrendo o Brasil em campanha, deva ser repensada pelas lideranças", argumentou o ministro. "A insistência hoje não contribui para a necessária tranquilidade que nós entendemos que seja positiva nos momentos que antecedem o pleito."

"Mesmo que alguns tenham tentado transformar o Brasil em uma Venezuela, nós não temos essa tradição de conflito nas eleições... o ideal seria que entendessem isso, porque na verdade nos preocupa a elevação da temperatura e até essa radicalização de posições que está se estabelecendo em torno dessa impossível candidatura do ex-presidente Lula", concluiu Marun.

Lula lidera as pesquisas de intenção de voto para a Presidência em outubro, mas com a confirmação da condenação a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex, deve ficar impedido de disputar a eleição de acordo com a Lei da Ficha Limpa.

"SEGUNDO GOLPE"

Na coletiva para a imprensa internacional, a qual Dilma afirmou ter muita gratidão por se levantar contra o "golpe" que a tirou do governo em 2016, a ex-presidente reiterou que o PT não tem um plano B para a vaga de Lula na corrida presidencial e afirmou que não há motivos para o ex-presidente ser preso ou proibido de se candidatar nas eleições desse ano.

"Impedir o Lula ser candidato é um segundo golpe", disse ela "Não achamos que vai ser preso ou candidato na prisão. Vamos lutar contra isso... até agosto termos todas condições de fazer campanha e depende do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Não temos por que ter decisão preliminar e para que um plano B? Para facilitar o quê?", argumentou.

"Eles querem que aceitemos a culpa de um inocente. Vivemos perseguição política a um inocente."

PETROBRAS

Dilma afirmou que ainda não definiu se vai se candidatar a algum cargo em 2018, mas salientou que quanto o maior desafio mais se sente estimulada. Embora tenha perdido seu mandado como presidente com o impeachment de 2016, Dilma manteve seus direitos políticos e pode disputar as eleições este ano se desejar.

A ex-presidente acrescentou que se o PT voltar ao comando do país vai trazer de volta a obrigatoriedade de que a Petrobras tenha no mínimo 30 por cento de todos os campos de petróleo na camada pré-sal.

A obrigatoriedade foi derrubada no governo do presidente Michel Temer sob argumento de que a estatal não teria fôlego financeiro para tamanho investimento. Dilma frisou que o pré-sal é uma riqueza gigante e estratégica para o país.

"Assim como eles alteraram, por que não podemos? Nada impede a gente de alterar... não vejo por que não alterar", finalizou.

Reportagem de Rodrigo Viga Gaier

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247