Dilma: revelação de Temer sobre militares mostra que golpe não foi apenas parlamentar, midiático e judicial

"Temer admite que ajudou a criar esquema militar para sustentar ruptura da normalidade democrática", segundo a ex-presidenta Dilma Rousseff

Dilma Rousseff e Michel Temer
Dilma Rousseff e Michel Temer (Foto: Ederson Casartelli/247 | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A ex-presidenta Dilma Rousseff escreveu, em nota publicada em seu portal na internet, nesta quinta-feira, 5, que os relatos feitos pelo ex-vice-presidente Michel Temer sobre os militares, “reunidos às revelações involuntárias de Romero Jucá” - que falou na época de um grande acordo “com Supremo [Tribunal Federal], com tudo” - mostram que o golpe de 2016 “não foi apenas parlamentar, midiático e judicial, mas também de natureza militar”.

Segundo Dilma, “descobre-se que Temer não apenas se beneficiou de um golpe de estado como participou diretamente da criação de um esquema militar para dar sustentação à ruptura da normalidade democrática”.

“Agora, diante de mais um sincericídio de Temer, ganha veracidade aquilo que Romero Jucá afirmou em conversa gravada e vazada legalmente na época em que o então vice-presidente buscava apoio nos quartéis: os militares deram, no mínimo, sinal verde para o golpe e, para evitar manifestações, monitoravam o MST”, continua. Leia a nota na íntegra:

Participação militar no golpe de 2016

Tudo indica que o relato feito por Michel Temer para um livro que está para ser lançado é o novo ato de sincericidio de um homem que será sempre atormentado pela história como um golpista que traiu o governo ao qual pertencia e, agora, segundo a imprensa, confessa que conspirou para derrubar a democracia. Desta vez, descobre-se que Temer não apenas se beneficiou de um golpe de estado como participou diretamente da criação de um esquema militar para dar sustentação à ruptura da normalidade democrática.

As inconfidências de Temer sobre a realização de várias reuniões fechadas com o comandante do Exército e outro general são novos fragmentos de informação que, reunidos às revelações involuntárias de Romero Jucá, exatamente na mesma época, compõem um quadro indicando que o golpe que me destituiu da presidência em 2016 não foi apenas parlamentar, midiático e judicial, mas também de natureza militar.

Agora, diante de mais um sincericídio de Temer, ganha veracidade aquilo que Romero Jucá afirmou em conversa gravada e vazada legalmente na época em que o então vice-presidente buscava apoio nos quartéis: os militares deram, no mínimo, sinal verde para o golpe e, para evitar manifestações, monitoravam o MST.

As confissões de Temer e Jucá se completam e se confirmam. Cometido o golpe, na forma de um impeachment sem crime de responsabilidade, os militares com quem Temer se reuniu seguidas vezes enquanto se tramava a derrubada do governo ficaram ao lado do novo presidente – um deles mantendo o comando do Exército, o outro sendo nomeado chefe do Gabinete de Segurança Institucional.

E assim, pouco a pouco, a verdade vem à tona e a história vai sendo contada.

Artigo desta semana do jornalista Rubens Valente cobra mais explicações sobre o protagonismo de Temer no golpe e a participação de pelo menos dois generais no processo que levou ao impeachment.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247