Dilma: “sem Lula, uma vitória contra a agenda neoliberal e neofascista é muito difícil”

Em entrevista à agência argentina Télam, a ex-presidenta Dilma Rousseff disse que Lula é o grande líder popular brasileiro e cria uma alternativa concreta de poder com sua eleição. "Sem Lula, o caminho de vitória contra essa agenda neoliberal e neo-fascista é muito difícil", afirmou

www.brasil247.com -
(Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula)


Da agência Télam - A menos de um ano das eleições no Brasil, a ex-presidente Dilma Rousseff descreveu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como "o grande líder popular" do gigante sul-americano e afirmou que sem ele uma vitória contra a "agenda neoliberal e neofascista seria "muito difícil".

Durante o VII Encontro do Grupo Puebla, que se realiza na Cidade do México, o ex-presidente brasileiro (2011-2016) conversou com Télam sobre a situação política e o futuro processo eleitoral no país, e descreveu a provável candidatura do o ex-juiz Sérgio Moro, que prendeu Lula ilegalmente, como “peça de confissão”.

- Télam: Depois de passar mais de um ano e meio na prisão por condenação por corrupção no caso Lava Jato, Lula conseguiu provar sua inocência e agora desponta como um possível candidato à presidência no Brasil. Você apóia a candidatura dele e por quê?

- Dilma Rousseff: Claro que apoio a candidatura do Lula à presidência. No Partido dos Trabalhadores (PT) lutamos para demonstrar a ilegalidade da prisão de Lula e que o destino cometeu a pior injustiça: condenar um homem inocente. Demorou cinco anos para o Supremo Tribunal Federal (STF) reconhecer que ele havia sido condenado indevidamente e por quê? Desde que Lula foi eleito em 2003, reeleito em 2006 e depois eu fui eleito em 2010 e reeleito em 2014, implantamos no Brasil outro tipo de modelo de desenvolvimento que se caracterizava por um processo de inclusão social, o desenvolvimento do nosso mercado interno com muito relação produtiva entre o Estado e o setor privado, mas com um eixo: a redução das brutais desigualdades no país e a transformação do povo em protagonista (...) Se não o fizéssemos,

"O golpe que sofri foi para enquadrar o Brasil econômica e geopoliticamente sob o neoliberalismo porque nosso projeto também não aceitava submissão aos Estados Unidos, queríamos construir relações com todos os países, inclusive a China"

- T: Quer dizer?
- DR: O golpe que sofri foi para enquadrar o Brasil econômica e geopoliticamente sob o neoliberalismo porque nosso projeto também não aceitava submissão aos Estados Unidos, queríamos construir relações com todos os países, inclusive a China.

Então, por meio de uma série de processos, começou a aparecer toda a trama da operação Lava Jato para impedir Lula de ser presidente e o juiz (Moro) cometeu o maior crime que um juiz pode cometer: ser parcial e perseguidor. Ele perseguiu o Lula, o PT, a mim e criou as condições para os golpes: o primeiro ato foi o impeachment, o segundo foi a prisão de Lula e o terceiro foi a eleição do (Jair) Bolsonaro.

Nesse processo, a centro-direita dá um tiro no pé e apóia o surgimento de uma proposta de governo neofascista, ultraconservadora, armamentista, misógina, homofóbica, anticultural e anticientífica.

- T: Em caso de triunfo de Lula, você também o sentiria como seu?
- DR: No meu discurso final denunciei a natureza do golpe e disse uma coisa no final: 'não vamos afrouxar'. A volta de Lula é uma volta de todos nós porque ele é o grande líder popular brasileiro e cria uma alternativa concreta de poder. Sem Lula, o caminho de vitória contra essa agenda neoliberal e neo-fascista é muito difícil.

As pesquisas atuais mostram que Lula tem capacidade de vencer no primeiro turno (...) então temos uma situação no Brasil que podemos desarmar: vamos ter muita luta e sabemos o que vamos enfrentar. Por isso, é fundamental que o povo, as organizações, os partidos progressistas e todos os democratas que gostariam de apoiar Lula ingressem na base eleitoral.

“A volta de Lula é uma volta de todos nós porque ele é o grande dirigente popular brasileiro e cria uma alternativa concreta de poder”

- T: E se for a situação, você concorda em entrar para um futuro governo Lula?
- DR: Isso não está na pauta de nossas discussões porque seria colocar a carroça antes dos bois. Não tenho competência para discutir o processo pós-eleitoral; quem tem é o presidente. Fui candidato e sei como é.

- T: E o que você acha da aspiração presidencial de Moro como alternativa a Lula e Bolsonaro?
- DR: Essa candidatura é mais uma peça de confissão. Com ela, Moro confessa tudo o que o STF falou sobre ele: que foi parcial, perseguiu Lula e não cumpriu o papel de juiz. Também (prova) o que falamos dele: que deu a cabeça de Lula em troca do Ministério da Justiça do Bolsonaro, enquanto ao longo desse período dizia que não era político. Portanto, é mais uma confissão de culpa por ele ter agido politicamente para destruir alguém de quem discordava como juiz.

A LUTA DAS MULHERES E MEIO AMBIENTE, AS CAUSAS DO SÉCULO

“A questão das mulheres, não da onda feminista, é uma das mais importantes deste século porque vimos que as manifestações do patriarcado não terminam com o desenvolvimento da sociedade. Só a luta das mulheres é capaz de acabar com o patriarcado ”, disse a ex-presidente, que afirmou ter sempre sido a favor do aborto legal, em entrevista ao Télam.

Dilma Rousseff destacou a luta das mulheres que participam de alguma esfera de poder - como jornalistas, advogadas ou juízas - que em sua opinião são objeto de misoginia porque para o "ódio patriarcal" seu espaço deveria ser privado.

Além disso, ela destacou o debate paralelo sobre a violência contra as mulheres e os direitos sexuais e reprodutivos.

“O protagonismo é das mulheres, ou têm protagonismo na transformação, ou não ocorre”, declarou e acrescentou: “isso é algo importante neste século porque acredito que a consciência se generalizou, embora seja ainda não expresso em poderes. concreto ”.

A ex-líder brasileira também se referiu à transição ecológica como "o outro grande desafio deste século" porque, na sua opinião, é "onde a roda trava".

“O modelo está muito baseado em combustíveis fósseis e provou que dois movimentos serão muito importantes para a mudança: o dos governos, mas também o dos próprios movimentos para poder traçar caminhos de conscientização e necessidade de redução dos gases de efeito estufa. estufa".

Nesse sentido, ele lamentou que os países mais desenvolvidos estejam “abaixo de seus desafios e responsabilidades”.

Ele também aludiu ao caso brasileiro e à importância de aplicar uma política de desmatamento zero na Amazônia e punir os responsáveis.

“O Brasil foi líder no Acordo do Clima de Paris e hoje é visto como um grande assassino porque abriu a Amazônia para a exploração de grandes grupos minerais e está destruindo populações indígenas. É algo muito perverso ”, alertou.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email