Dirceu: quem delata perde sua condição humana

O ex-ministro José Dirceu mantém sua posição de jamais aderir a um acordo de delação, apesar da perspectiva de talvez nunca mais sair da prisão, informa a jornalista Mônica Bergamo em sua coluna no jornal Folha de S. Paulo; José Dirceu se entregou ontem à Polícia Federal para cumprir mais de 30 anos de prisão, pena considerada excessiva pela maioria dos especialistas; ele diz: “eu fui formado numa geração em que a delação é a perda da condição humana”

dirceu
dirceu (Foto: Gustavo Conde)

247 - O ex-ministro José Dirceu mantém sua posição de jamais aderir a um acordo de delação, apesar da perspectiva de talvez nunca mais sair da prisão, informa a jornalista Mônica Bergamo em sua coluna no jornal Folha de S. Paulo. José Dirceu se entregou ontem à Polícia Federal para cumprir mais de 30 anos de prisão, pena considerada excessiva pela maioria dos especialistas. Ele diz: “eu fui formado numa geração em que a delação é a perda da condição humana”.

Figura central do PT, ele diz que “nem em música” considerou algum dia a hipótese de fazer colaboração premiada. “Nem em samba-canção”, afirma. “No Exército Vermelho [da antiga União Soviética] tinha um ditado: para ser covarde, é preciso ter coragem. Porque os traidores eram sumariamente eliminados pelo comissário político na frente de batalha.”

 “Eu fui formado numa geração em que a delação é a perda da condição humana. A maioria [das pessoas presas na ditadura] não delatou nem mesmo sob torturas que as destruíam psicologicamente, fisicamente. Muitas ficaram com sequelas e carregam até hoje aqueles tormentos, como é o caso da própria [ex] presidente Dilma”, segue ele. Antes de ser preso, o ex-ministro terminou de escrever uma biografia, que será lançada pela Geração Editorial.

Leia mais aqui na coluna da jornalista.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247