Diretor da Transparência Internacional sugeriu que MPF estivesse fora do conselho de fundo da Petrobras, mas Dallagnol ignorou

Bruno Brandão disse a Dallagnol que a atuação do Ministério Público Federal no conselho da Fundação Lava Jato abriria brechas para acusações de que 'o MP estaria criando sua própria fundação para ficar com o dinheiro das multas' recolhidas pela Petrobras, no valor de R$ 2,5 bilhões

www.brasil247.com - Bruno Brandão e Deltan Dallagnol
Bruno Brandão e Deltan Dallagnol (Foto: Reprodução | Agência Brasil)


247 - Em nova reportagem da Vaza Jato, publicada pela Agência Pública em parceria com o site The Intercept, um diálogo entre o diretor da ONG Transparência Internacional, Bruno Brandão, e o ex-coordenador da Lava Jato Deltan Dallagnol mostra que Brandão foi ignorado por Dallagnol ao sugerir que o Ministério Público Federal não obtivesse uma cadeira no conselho da Fundação Lava Jato para evitar acusações de que o órgão estaria criando sua própria instituição para ficar com o dinheiro das multas recolhidas pela Petrobras, no valor de R$ 2,5 bilhões.

"Delta, eu tomaria muito cuidado com as cláusulas 2.3.1.3 e 2.3.1.5 (que dispõem sobre a participação direta do MPF no processo de instituição da entidade e, posteriormente, em sua governança através de assentos no Conselho), por duas razões: 1) isso dará muita abertura para críticas de que o MP está criando sua própria fundação para ficar com o dinheiro da multa. (A segunda já falamos pelo tel)", escreveu Brandão.

Dallagnol respondeu às mensagens do diretor da ONG sem fazer menção ao ponto sobre a "governança" do Ministério Público Federal sobre a entidade. A reportagem lembra que "Dallagnol deu de ombros para a sugestão e viu sua fundação desmoronar ao ser questionada pela comandante do MPF, a então procuradora-geral da República Raquel Dodge, e por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF)".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A reportagem da Vaza Jato revelou que Bruno Brandão participou fortemente na elaboração da minuta da Fundação Lava Jato. Procurada pela reportagem, a ONG afirmou em nota que essa parceria, assim como a colaboração com a força-tarefa da Lava Jato, faz parte da natureza do seu trabalho e missão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email