Disléxicos de sucesso

Quem sofre de dislexia não está fadado a um futuro de fracasso; basta ver o exemplo de famosos geniais que lidavam com a linguagem de uma forma diferente



Além das carreiras de sucesso, o que têm em comum o inventor Thomas Edison, o ator hollywoodiano Tom Cruise, o produtor cinematográfico Walt Disney e a escritora de romances policiais Agatha Christie? Apesar da reconhecida genialidade, todos eles (pasmem!) padeceram de uma deficiência de aprendizado muito comum: a dislexia. Em outras palavras, apresentavam uma espécie de disfunção para lidar com a linguagem. Ou ainda, conforme sugere uma interpretação mais humana e atual, esses gênios contemporâneos possuíam simplesmente uma forma diferente de aprender.

Uma das "deficiências de aprendizado" mais comuns, a dislexia afeta cerca de 20% de todas as crianças, segundo estimativas. Ela provoca uma grande dificuldade ao aprender a ler, escrever, soletrar e assimilar palavras. A julgar pelos exemplos acima, no entanto, isso não quer dizer que essas crianças sejam menos inteligentes – aliás, muitas delas apresentam um grau de inteligência superior ao da maioria da população.

Inclusive, alguns pesquisadores creem que pessoas disléxicas têm até uma maior probabilidade de serem bem sucedidas. Acredita-se que o enfrentamento das dificuldades iniciais de disléxicos para aprender de maneira convencional estimula sua criatividade e desenvolve uma habilidade para lidar melhor com problemas e com o stress. O ideal, porém, é que a disfunção seja identificada e tratada desde cedo para evitar traumas futuros. Mas afinal, qual são os sintomas? Veremos mais abaixo.

UM OLHAR HUMANO

Uma perspectiva mais recente sobre a dislexia converge para a ideia de que essa disfunção não passa de uma forma diferente de aprender, interpretar, lidar com a informação. Afinal, por que é possível que pessoas com características até geniais, encontrem dificuldades básicas no processo individual de aprendizado? "O maior problema para assimilarmos esta realidade está no conceito arcaico de que: 'quem é bom, é bom em tudo'", esclarece o website Dislexia.com.br, especializado na questão.

Daí advém a necessidade de um olhar mais humano sobre a questão, que alimente a ideia do convívio com as diferenças. Ainda há uma falta de preparo e de conhecimento muito grande sobre o tema. Nesse contexto, pais, professores e educadores devem estar cientes de que um alto número de crianças sofre com a dislexia. Caso contrário, eles cometerão um erro muito comum: o de confundir dislexia com preguiça ou má disciplina. Afinal, crianças disléxicas reagem, muitas vezes, comportando-se mal dentro e fora da sala de aula, como uma maneira de expressar sua frustração por essa falta de preparo. Portanto, pais e educadores devem saber identificar os sinais que indicam que uma criança é disléxica - e não preguiçosa, pouco inteligente ou mal-comportada.

Dessa forma, a dislexia não deve ser motivo de vergonha; não significa falta de inteligência e não é um indicativo de futuras dificuldades acadêmicas e profissionais. Principalmente quando tratada, essa disfunção não implica em falta de sucesso no futuro. Que o digam Walt Disney, Tom Cruise, Walt Disney, Agatha Christie...

DISLEXIA NA PRIMEIRA INFÂNCIA

1 - Atraso no desenvolvimento motor desde a fase do engatinhar, sentar e andar;

2 - atraso ou deficiência na aquisição da fala, desde o balbucio á pronúncia de palavras;

3 – a criança disléxica parece ter dificuldade em entender o que está ouvindo;

4 - distúrbios do sono;

5 - enurese noturna (xixi na cama);

6 - suscetibilidade a alergias e infecções;

7 - tendência a hiperatividade ou a hipo-atividade motoras;

8 – muito choro, agitação e inquietude

9 - dificuldades para aprender a andar de velotrol;

10 - dificuldades de adaptação nos primeiros anos escolares.

CARACTERÍSTICAS GERAIS DA DISLEXIA

Disgrafia

Inabilidade ou atraso no desenvolvimento da linguagem escrita, especialmente da escrita cursiva. Escrever com máquina datilográfica ou com o computador pode ser muito mais fácil para o disléxico

Discalculia

Dificuldades com a Linguagem Matemática são muito variadas em seus diferentes níveis e complexas em sua origem. Podem evidenciar-se já no aprendizado aritmético básico, ou na elaboração do pensamento matemático mais avançado.

Deficiência de Atenção

É a dificuldade de concentrar e de manter concentrada a atenção em objetivo central, para discriminar, compreender e assimilar o foco central de um estímulo.

Hiperatividade

Atividade psicomotora excessiva, com padrões diferenciais de sintomas: o jovem ou a criança hiperativa com comportamento impulsivo é aquela que fala sem parar e nunca espera por nada; não consegue esperar por sua vez, interrompendo e atropelando tudo e todos.

Hipoatividade

Nível baixo de atividade psicomotora, com reação lenta a qualquer estímulo. Trata-se daquela criança chamada "boazinha", que parece estar, sempre, no "mundo da lua".

FONTES:

http://www.dislexia.org.br

http://www.dislexia.com.br

http://www.indianopolis.com.br

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email