CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Brasil

Disparos durante sequestro no Rio foram feitos por PMs

Comandante admite que todos os tiros partiram das armas dos policiais militares; cinco pessoas foram baleadas e uma delas est internada em estado grave

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Em entrevista coletiva, o comandante do 4º Batalhão da Polícia Militar, em São Cristóvão, o tenente-coronel Marcos Vinícius Prado, admitiu que todos os disparos efetuados durante o sequestro do ônibus da linha Praça XV/Duque de Caxias, na noite de ontem, partiram das armas dos policiais militares que participaram da ação de resgate. Ele reconheceu que os bandidos que tomaram o coletivo não atiraram contra os policiais. Cinco pessoas foram baleadas, uma delas está internada em estado grave no Hospital Souza Aguiar, no Centro do Rio.

Cinco pistolas usadas por policiais ontem à noite foram apreendidas na 6ª Delegacia de Polícia, em Cidade Nova, onde o caso está sendo investigado. De acordo com o comandante do 4º BPM, os disparos foram efetuados "a uma distância de não mais do que 20 metros", com o objetivo de furar os pneus e evitar o deslocamento do veículo e a consequente fuga dos sequestradores. No entanto, pelo menos 16 tiros, segundo ele, atingiram a lataria do ônibus e alguns deles provocaram ferimentos nos reféns.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Mário Sérgio Duarte, que na noite de ontem havia considerado um sucesso a operação da polícia, viu-se obrigado a recuar. Para ele, os tiros contra os pneus de um veículo com reféns "não fazem parte do protocolo".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO