Documento da Aeronáutica desmente Bolsonaro sobre morte de Fernando Santa Cruz

De acordo com documento da Aeronáutica, o estudante Fernando Santa Cruz foi preso pelo regime em 22 de fevereiro de 1974, no Rio de Janeiro; o documento desmente a versão de Jair Bolsonaro para o desaparecimento de Fernando, que é pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz

www.brasil247.com -


247 - "Um documento secreto da Aeronáutica desmente a versão de Jair Bolsonaro para o desaparecimento de Fernando Santa Cruz, morto em 1974 pela ditadura militar", afirma o colunista Bernardo Mello Franco, do jornal O Globo. Ele se refere ao relatório secreto RPB 655, do Comando Costeiro da Aeronáutica, que atesta que o estudante Fernando Santa Cruz foi preso pelo regime em 22 de fevereiro de 1974, no Rio de Janeiro.

Para atacar o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, o presidente Jair Bolsonaro disse que Fernando teria sido assassinado por outros militantes de esquerda.

"Não foram os militares que mataram ele não, tá? É muito fácil culpar os militares por tudo o que acontece", disse Bolsonaro, afirmando que Santa Cruz teria sido morto por outros militantes da Ação Popular, uma das organizações que combatiam a ditadura.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas de acordo com o documento anexado ao relatório da Comissão Nacional da Verdade (CNV), Santa Cruz estava sob custódia do Estado quando foi assassinado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Em depoimento à CNV, o ex-delegado Cláudio Guerra disse que o corpo teria sido incinerado na Usina Cambahyba, em Campos", destaca o colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email