Doze Estados preveem rombo nas contas em 2017

A crise nos Estados deve piorar em 2017; doze governos estaduais projetam um déficit primário em seus orçamentos no próximo ano; as expectativas em relação ao crescimento em 2017 não param de cair, jogando uma pá de cal nos planos de recuperação no curto prazo; enquanto isso, os compromissos do dia a dia seguem se acumulando, e não é difícil encontrar casos de Estados que vão virar o ano sem ter pago o 13º salário a seus servidores; casos mais graves são do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná

A crise nos Estados deve piorar em 2017; doze governos estaduais projetam um déficit primário em seus orçamentos no próximo ano; as expectativas em relação ao crescimento em 2017 não param de cair, jogando uma pá de cal nos planos de recuperação no curto prazo; enquanto isso, os compromissos do dia a dia seguem se acumulando, e não é difícil encontrar casos de Estados que vão virar o ano sem ter pago o 13º salário a seus servidores; casos mais graves são do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná
A crise nos Estados deve piorar em 2017; doze governos estaduais projetam um déficit primário em seus orçamentos no próximo ano; as expectativas em relação ao crescimento em 2017 não param de cair, jogando uma pá de cal nos planos de recuperação no curto prazo; enquanto isso, os compromissos do dia a dia seguem se acumulando, e não é difícil encontrar casos de Estados que vão virar o ano sem ter pago o 13º salário a seus servidores; casos mais graves são do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná (Foto: Valter Lima)

247 - A crise nos Estados deve piorar em 2017. Doze governos estaduais projetam um déficit primário em seus orçamentos no próximo ano. As expectativas em relação ao crescimento em 2017 não param de cair, jogando uma pá de cal nos planos de recuperação no curto prazo. Enquanto isso, os compromissos do dia a dia seguem se acumulando, e não é difícil encontrar casos de Estados que vão virar o ano sem ter pago o 13º salário a seus servidores.

Um deles é o Rio de Janeiro, que enfrenta uma das situações mais delicadas e foi o primeiro a decretar calamidade financeira. Em 2017, o Rio deve ter o maior rombo entre os Estados: R$ 19,3 bilhões, segundo estimativas do governo fluminense. Os gastos com Previdência explicam boa parte do déficit: hoje o Estado tem uma folha de inativos praticamente igual à de servidores na ativa. 

No grupo dos que decretaram calamidade financeira, Minas Gerais prevê um resultado negativo em R$ 8,06 bilhões no ano que vem, após um rombo na mesma magnitude este ano.

Há ainda Estados que usam da “criatividade” na formulação das contas, como o Rio Grande do Sul, cuja projeção oficial é de um superávit de R$ 1,2 bilhão. Para isso, o Estado incorporou R$ 2,9 bilhões em receitas extraordinárias “para cobrir déficit”, que o próprio governo reconhece que não irão se realizar.

No Paraná, o déficit previsto é de R$ 4,1 bilhões, mas o governo diz que o dado efetivo será próximo de zero – mas para isso, conta com receitas incertas, de operações ainda em estruturação, como securitização de recebíveis e empréstimos que ainda precisam do aval da União.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247