É preciso uma frente para isolar Bolsonaro, defende Marcos Nobre

"É preciso isolar este presidente como acontece em qualquer país democrático do mundo: a extrema direita tem que ser isolada, e as forças políticas fazem um pacto implícito ou explícito para isso", defende o filósofo e presidente do Cebrap, Marcos Nobre

O professor de Filosofia da Unicamp e presidente do Cebrap, Marcos Nobre
O professor de Filosofia da Unicamp e presidente do Cebrap, Marcos Nobre (Foto: José Cícero da Silva/Agência Pública)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O professor de Filosofia da Unicamp e presidente do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), Marcos Nobre, defendeu nesta quarta-feira (7) a criação de uma frente democrática para derrotar Jair Bolsonaro. 

Em entrevista ao site Tutaméia, o filósofo analisou as fissuras nos apoios de Bolsonaro, enfatizou as razões de sua força midiática e dissecou as posições de grupos de políticos, de empresários e de lideranças religiosas.

“A prioridade política número um neste país é isolar a extrema direita. É criar um polo antibolsonaro. Se isso não for feito, o risco que a gente corre de experimentarmos um regime autoritário é muito grande. Isolar a extrema direita hoje seria reunir dois movimentos que já aconteceram na história brasileira: as diretas já de, 1984, e o impeachment de Fernando Collor, em 1992. 1984 porque existe o risco real de uma regressão autoritária. A frente ampla é para impedir que isso aconteça. 1992 porque, isolando a extrema direita como um impeachment faria, praticamente todas as forças políticas estariam presentes, como aconteceu no caso Collor”, afirmou Nobre. 

Para o presidente do Cebrap, depois das eleições municipais, é necessário que se articule um “pacto para restabelecer a convivialidade, para restabelecer regras de civilidade constitucional entre as forças políticas para que elas consigam conviver. É preciso isolar este presidente como acontece em qualquer país democrático do mundo: a extrema direita tem que ser isolada, e as forças políticas fazem um pacto implícito ou explícito para isso. E para impedir que ela chegue ao poder. No Brasil, já chegou. Na Europa, na França, na Alemanha, a extrema direita demorou décadas para conseguir ter relevância eleitoral e demorou mais tempo para se se tornar palatável e manter as aparências do jogo democrático”,

Bolsonaro, observa ele, fez isso de uma tacada. “Ele organizou a extrema direita no Brasil que estava desorganizada desde o final da ditadura. Deu uma cara para ela, organicidade e ganhou a eleição. Então nós estamos muito atrasados nesse pacto para isolar a extrema direita. Temos que conseguir construir um campo que não seja eleitoral, mas que diga: nós estamos aqui em oposição a este governo enquanto uma força de oposição democrática. 2021 é a última oportunidade que a gente tem porque não tem eleição e se pode constituir essa frente ampla em que se discutam as novas regras da democracia inclusive em relação às fake news.

Assista à entrevista:

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247