E se José Dirceu se abrigar numa embaixada?

O que dirão políticos da oposição, como Aloysio Nunes (PSDB-SP), Agripino Maia (DEM-RN) e Pedro Taques (PDT-MT), que empenharam solidariedade ao boliviano Roger Pinto Molina? Será que defenderão que o governo brasileiro dê o salvo-conduto para que o réu mais notório da Ação Penal 470 possa deixar o País? Assim como o político boliviano, Dirceu se vê como alvo de perseguição política. Pela lógica da oposição, se vier a ser resgatado por um senador da Venezuela, de Cuba ou mesmo da Bolívia, será necessário aplaudir esse ato de coragem

www.brasil247.com - O que dirão políticos da oposição, como Aloysio Nunes (PSDB-SP), Agripino Maia (DEM-RN) e Pedro Taques (PDT-MT), que empenharam solidariedade ao boliviano Roger Pinto Molina? Será que defenderão que o governo brasileiro dê o salvo-conduto para que o réu mais notório da Ação Penal 470 possa deixar o País? Assim como o político boliviano, Dirceu se vê como alvo de perseguição política. Pela lógica da oposição, se vier a ser resgatado por um senador da Venezuela, de Cuba ou mesmo da Bolívia, será necessário aplaudir esse ato de coragem
O que dirão políticos da oposição, como Aloysio Nunes (PSDB-SP), Agripino Maia (DEM-RN) e Pedro Taques (PDT-MT), que empenharam solidariedade ao boliviano Roger Pinto Molina? Será que defenderão que o governo brasileiro dê o salvo-conduto para que o réu mais notório da Ação Penal 470 possa deixar o País? Assim como o político boliviano, Dirceu se vê como alvo de perseguição política. Pela lógica da oposição, se vier a ser resgatado por um senador da Venezuela, de Cuba ou mesmo da Bolívia, será necessário aplaudir esse ato de coragem (Foto: Leonardo Attuch)


247 - Um exercício hipotético daria um nó na oposição brasileira. Imaginem que, numa viagem a Brasília, o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, decidisse fazer um pequeno giro pelo Setor de Embaixadas. E que, por exemplo, se refugiasse na representação de países com os quais mantém boas relações, como, por exemplo, Venezuela, Cuba e a própria Bolívia.

Na condição de asilado, Dirceu estaria em território estrangeiro. E, portanto, não poderia ser preso. Réu mais notório da Ação Penal 470, o ex-ministro da Casa Civil se vê como alvo de uma perseguição política. Não por um governo, como alega o boliviano Roger Pinto Molina, que se diz perseguido por Evo Morales, mas pelo poder real, representado pela aliança entre impérios midiáticos e setores conservadores da sociedade brasileira. Se vier a ser preso, Dirceu continuará a dizer que foi alvo de uma condenação política, imposta por um tribunal de exceção.

Eis que surge, então, a hipótese da embaixada – uma alternativa ruim, mas nem tão desagradável como a eventual vida num presídio. Como o Brasil reagiria se um senador de outro país repetisse a ação de Ricardo Ferraço (PMDB-ES), que pediu um jatinho emprestado a um empresário amigo para resgatar um político de outro país que responde a diversos processos? Será que os políticos da oposição, como fizeram Aloysio Nunes (PSDB-SP), Pedro Taques (PDT-MT) e Agripino Maia (DEM-RN) (leia aqui), editorialistas de jornais, caso do Estadão (leia aqui), e colunistas da grande imprensa, como fez Eliane Cantanhêde (leia aqui), defenderiam o gesto humanitário?

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email