Eduardo Moreira resume a manipulação da Lava Jato para tirar Lula das eleições de 2018

Economista relembrou como o empreiteiro Léo Pinheiro foi usado para incriminar Lula

Eduardo Moreira
Eduardo Moreira (Foto: 247)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O economista Eduardo Moreira relembrou nesta segunda-feira (20) a manipulação da operação Lava Jato para retirar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva das eleições presidenciais de 2018, cujas intenções de voto ele liderava até ser declarado inelegível pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 

Pelo Facebook, Eduardo Moreira resumiu em um parágrafo "o absurdo dos últimos 3 anos":

"Presidente Lula liderava folgadamente as pesquisas para as eleições em 2018. Leo Pinheiro, empresário preso por corrupção, muda sua delação premiada depois de conversar com um juiz e incrimina Lula. Leo Pinheiro sai da prisão e Lula vai pra prisão deixando de participar das eleições. O segundo lugar nas pesquisas se elege. O juiz que aconselhou Leo Pinheiro vira ministro da justiça. Lula fica preso quase dois anos. Áudios vazados por um hacker revelam o esquema do juiz e seus comparsas para incriminar Lula. Lula é solto e inocentado de todas as acusações que pesavam sobre ele. O juiz sai do governo e, impune, vai para os EUA ganhar um salário enorme trabalhando na recuperação judicial da empresa que ajudou a quebrar com sua operação fraudulenta. Léo Pinheiro muda de novo sua delação e reconhece que era tudo mentira. Fim."

PUBLICIDADE

 Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email